Loading…


martes 05/12 - Fac. Derecho / Sala 16
08:00 - 10:00 Presentación de PONENCIAS
 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
Um estudo de caso múltiplo sobre a efetividade das práticas de apoio aos empreendimentos solidários (#4529)
Egeu Gómez Esteves 1; Alcione Carolina Gabriel Da Silva 2
1 - FURG. 2 - Universidade de Coimbra.
Abstract:
Nosso objetivo foi investigar as práticas dos apoiadores da Economia Solidária pela perspectiva de organizações apoiadoras e empreendimentos apoiados. Realizamos três atividades complementares: (a) revisão dos apoiadores e suas metodologias e práticas de fortalecimento de cooperativas e associações; (b) mapeamento participativo, com apoio de organizações e empreendimentos, de “casos de sucesso” de cooperativas e associações, na perspectiva dos apoiadores; (c) um estudo de caso múltiplo realizado com cinco “casos de sucesso” de empreendimentos solidários. O primeiro resultado foi que poucas organizações de apoio disponibilizam na Internet as informações sobre suas metodologias e/ou práticas de apoios aos empreendimentos de economia solidária e, quando o fazem, apresentam informações pouco sistematizadas. Mesmo assim, foi possível analisar documentos do FBES; da UNISOL Brasil, da UNICAFES; do MDA, da Justa Trama, do Instituto APAEB, da Cáritas Brasileira, da Unitrabalho, da ADS-CUT e do Instituto de Socioeconomia Solidária. Outro achado da pesquisa foi encontrar uma grande variedade de percepções e expectativas sobre o que são “casos de sucesso”. Foram consultadas dez instituições que provém apoio aos empreendimentos solidários, das quais quatro responderam indicando “casos de sucesso”: a FBB, a UNISOL Brasil, a Cáritas Brasileira e a Plural Cooperativa. Nas conversas emergiram diferentes concepções sobre o “sucesso”, que apareceram como “um caso de viabilidade e sustentabilidade”, “de autonomia e de conquistas”, “de relevância social para a comunidade”, “de impacto no desenvolvimento local” etc. As descobertas mais relevantes vieram dos cinco estudos de caso realizados em quatro cooperativas e em uma associação durante os meses de julho e agosto de 2016. Nas visitas de campo foi realizada observação participante, entrevistas semi-estruturadas e a aplicação de um questionário. Foram visitadas: Cooperativa Univens; Cooper Região; Copabase; Cooperafis e APAEB Sisal. A interpretação dos resultados foi realizada coletivamente por meio da sistematização das informações produzidas em campo na forma de um “quadro sinóptico” em que foram arrolados a lista dos apoiadores, os tipos de apoios realizados, os efeitos produzidos por tais apoios (na perspectiva dos trabalhadores) e as ações realizadas pelos empreendimentos em convergência aos apoios recebidos. No decorrer de duas oficinas de sistematização a equipe organizou em quatro categorias os apoios que foram cruciais para o sucesso dos empreendimentos estudados: liderança e participação; gestão de capacidades e conhecimentos; gestão da competitividade e compromisso; e propósito do negócio. Embora circulem diversos discursos e justificativas do sucesso dos empreendimentos da economia solidária, foram os relatos das percepções dos trabalhadores envolvidos nos “casos de sucesso” estudados que nos levaram a organizar os resultados nestas quatro categorias. Concluímos que a efetividade das ações dos apoiadores em induzir ao sucesso dos empreendimentos estudados, ao menos na perspectiva dos trabalhadores destes empreendimentos, dependeu de conseguir incentivar eficiência deles nestes quatro aspectos apresentados.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
Ciclos de protesta: aportes metodológico y estudio comparado (España 2011-Argentina 2001) (#4552)
Maria Rosa Herrera 1; Daniel Marin Gutierrez 1; Clemente Navarro 1
1 - Centro de Sociología y Políticas Locales UPO.
Abstract:
Las investigaciones sobre los movimientos sociales parecen cobrar renovado interés en la última década.  En diversas regiones del planeta actores no auto-reconocidos convocan a ‘ocupar las plazas’; los procesos son diversos pero, en general se trataban de demandas por más democracia política pero también social en sus aspectos  sustantivos. Algunos estudios sobre movilización social vienen insistiendo en identificar la presencia de un ciclo de protesta a escala mundial. Se trata de un fenómeno de participación que supone un  incremento de la frecuencia de las interacciones contenciosas entre los actores de la sociedad civil y los gobiernos, de una innovación en las tácticas y de la intensidad de los eventos.  Si bien es verdad que cada ola de movilización debe ser estudiada en relación a los contextos nacionales en tanto que las variables explicativas están ancladas en el territorio, también lo es que los/as  investigadores/as identifican procesos y mecanismos con importantes similitudes a través de los diferentes contextos territoriales. Ahora bien, los aspectos metodológicos del estudio de estos fenómenos presentan cierta dificultad, tanto en el marco muestral, el diseño metodológico y la validez de sus resultados. Con este trabajo pretendemos, por un lado, presentar algunas propuestas metodológicas que permita abordar estos fenómenos y, por otro, mostrar cómo funciona este modelo analítico-metodológico en el caso de España y la ola de movilización de la familia del movimiento de indignados y el ciclo de protesta producido en Argentina a comienzo de siglo.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
Actuación y crítica de la sociedad civil frente al regionalismo asimétrico en Chile. (#4601)
Silvia Demirdjian 1
1 - UBA-UNLAM.
Abstract:
  En términos generales, la propuesta se dirige a observar la relación entre sociedad civil y liberalización comercial a partir de las negociaciones propias del nuevo tipo de regionalismo surgido hacia la década del noventa como opción estratégica de desarrollo e inserción internacional en el marco del denominado proceso de globalización capitalista neoliberal. Esa tendencia que asocia comercialmente países y/o bloques del Norte con países del Sur de dispar envergadura, produjo una nueva delimitación de los alcances soberanos de los Estados más débiles y trató de regular y modificar la normativa nacional para ampliar y profundizar el intercambio de bienes y de servicios alcanzando nuevos temas tales como compras gubernamentales y propiedad intelectual, entre otros. Es claro a estas alturas que este tipo de regionalismo produjo ganadores y perdedores (Estay Reyno, 2005). En este sentido desde el campo de la sociología y, más específicamente, en el área de estudios sobre acción colectiva y globalización/integración abordamos el tipo de participación y los alcances de las demandas que han presentado las coaliciones que aglutinan a los sectores más críticos a este tipo de política de liberalización comercial asimétrica en Chile. Consideramos que este tipo de trabajo reviste interés debido a que no sólo se han incrementado tales políticas sino también las reivindicaciones sociales respecto de ellas. Proponemos contribuir a la descripción y análisis de las reivindicaciones y repertorios discursivos y de actuación que integraron la agenda de los sectores más críticos en Chile, que fue un país precursor en el Cono Sur respecto a la aplicación del recetario neoliberal y la consecuente liberalización de mercados. El tema reviste interés debido a que no sólo se han incrementado tales políticas sino también la crítica social respecto a ellas de parte de sectores que no tienen en el país una necesaria representación política. El tipo de preguntas que pretendemos responder son: ¿quiénes se han movilizado y sobre qué clase de cuestiones se han pronunciado?, ¿cómo utilizan estos actores los espacios que existen en las arenas de las negociaciones sobre política de comercio o discuten las limitaciones impuestas? Lejos de haber perdido vigencia, la temática sigue en agenda dado que estas opciones de política comercial se profundizaron a pesar de que en años recientes se fue configurando en América Latina un nuevo escenario denominado poshegemónico o posneoliberal (Briceño Ruiz, 2014; Grugel y Riggirozzi, 2009; 2012). Empero, la reciente demanda ciudadana a inicios de 2016 para que la presidenta Bachelet no suscriba el Acuerdo Transpacífico de Cooperación Económica (Trans-Pacific Partnership TPP,por su sigla en inglés) evidencia la persistencia de voces críticas frente a la adopción de macro políticas librecambistas.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
Movimiento social y cuidado solidario de niños y niñas: alternativas posibles para el ejercicio y efectivización de derechos desde el territorio (#4618)
María Eugenia Castaño 1; Pablo Allo 1; Verónica Gisele Campagna 1
1 - Facultad de Trabajo Social - UNLP.
Abstract:
En el presente trabajo presentaremos avances referidos a la importancia  del fortalecimiento de los movimientos sociales entendiéndolos como sujetos colectivos que de acuerdo a la dinámica del contexto argentino posibilitan la organización de la sociedad civil para el reclamo y ejercicio de sus derechos, siendo posible en la última década la articulación con las políticas del Estado. Cabe destacar que el movimiento social encuentra nuevos desafíos a la luz de la asunción del nuevo gobierno desde diciembre de 2015 y la reconfiguración de las políticas estatales en materia de derechos. Resulta de interés plasmar la experiencia del Movimiento Patria Grande CTA Regional Sur, desde la singularidad que este ha cobrado como movimiento social en la localidad de Villa Elvira. Comprendemos que el Movimiento Social en tanto organización ocupa un lugar intermedio, de enlace, entre las políticas del Estado y las personas que viven en barrios periféricos donde muchas veces se dificulta el acceso a políticas y el ejercicio de derechos conquistados. El Movimiento está integrado preponderantemente por migrantes paraguayos/as y desde el año 2004 tiene su base territorial en Villa Elvira, ciudad de La Plata, Buenos Aires, Argentina. En el enlace entre las políticas de Estado y la sociedad civil se presentan las demandas y necesidades de la comunidad, de los sujetos que pertenecen al territorio de Villa Elvira. En el presente trabajo se presentará el proyecto de cuidado solidario territorial denominado ‘Guardería Solidaria Isidro Chávez’ gestionado y promovido  desde el año 2012 por la Asamblea que funciona como órgano de decisión política del Movimiento, dando cuenta de las diferentes dimensiones, facilitadores, dificultades y propuestas para su organización y puesta en marcha. El espacio de cuidado solidario comenzó a gestionarse ante la necesidad de contar con un espacio para el cuidado y atención de los niños y niñas del barrio, construcción en la que participaron delegados/as de las asambleas, vecino/as del barrio, equipos de extensión de la Universidad Nacional de La Plata, instituciones estatales con la entrega de materiales subsidiados, entre otros. Se destaca que durante el año 2015 se comenzaron  a construir  las bases materiales encontrándose a la actualidad en la etapa de su finalización. Consideramos que esta experiencia contribuye favorablemente al  barrio, en tanto la Guardería Solidaria resulta una expresión de demandas de los y las vecinas del barrio, posibilitando  la consolidación y fortalecimiento de las acciones colectivas que  tienen por horizonte la efectivización y ejercicio de los derechos de los ciudadanos y ciudadanas. Entendemos al cuidado y su organización como un derecho, y por tal la intrínseca necesidad de contar con alternativas de cuidado territoriales que promuevan la desfamiliarización y desfeminización del mismo, en su articulación con  políticas del Estado fundadoras de derechos.                                                                         

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
Movimentos Sociais contemporâneos e a crise da representação política ou para pensarmos a democracia para além do estado. (#4640)
Rodrigo Chaves De Mello 1;
Cassio Brancaleone 2
1 - Universidade Estadual do Vale do Acaraú. 2 - Universidade Federal da Fronteira Sul.
Abstract:
Do levante zapatista, em fins do século XX, até o estabelecimento do recente circuito da indignação global, acompanhamos uma redefinição do papel dos movimentos sociais na consecução dos processos democráticos. Ao longo deste processo, descortinam-se novas dinâmicas e padrões de sociabilidade que potencializam a emergência de novos espaços de autonomia, prefigurativos de fenômenos de contrapoderes e empoderamento de sujeitos coletivos, problematizando práticas, valores e representações usuais a respeito do relacionamento e vínculos intransponíveis entre “sociedade e Estado”, com consequências relevantes para a (re)definição da democracia. Neste sentido, o presente trabalho tem por objetivo refletir sobre o significado destes movimentos, arriscando três hipóteses interpretativas que não só apontariam a sua radicalidade política, mas também, nos desafiariam a redefinir as categorias em larga medida presentes em nossas agendas de investigação sociológica: 1) Os movimentos propõe-se a enfrentar a ideia de que a democracia estaria ontologicamente limitada pelos contornos do Estado democrático de direito; 2) questionam os limites do estatuto da representação política enquanto artifício adequado para institucionalização da democracia em sociedades plurais e complexas; 3) avançam, mobilizando no campo retórico, bandeiras que procuram problematizar a noção – central à modernidade - de que de que aquilo que é público é necessariamente estatal.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
Narrativas de resistência no mundo do trabalho: um estudo psicossocial em andamento sobre a memória da Economia Solidária brasileira (#4649)
Cris Andrada 1
1 - IP-USP / FAPESP.
Abstract:
Fruto das mazelas do mundo do trabalho, como a Crise do Emprego dos anos noventa, a Economia Solidária brasileira atualmente configura-se como um importante movimento social de resistência no mundo do trabalho, embora complexo, ambíguo, heterogêneo e de difícil apreensão. Cerca de dez anos após o início de sua institucionalização, não apenas é possível como necessário compreender mais e melhor a gênese do movimento e as circunstâncias históricas de sua articulação. A necessidade de gerar trabalho e renda por meio de um paradigma econômico anti-hegemônico exigiu de seus/suas trabalhadores/as a arquitetura de ações políticas e econômicas complexas, como a construção de novas formas de produzir e de comercializar, de obter crédito, de gerir processos de trabalho, de ocupar fóruns públicos ou de reivindicar políticas públicas para o setor. O ânimo que imprimem nessas ações coletivas é de resistência e as dificuldades que enfrentam, imensas. Trata-se de experiências de trabalho e de vida social diversas que comungam de uma racionalidade comum, pautada não apenas por princípios econômicos, mas também por valores e preocupações de ordem social, política e comunitária. O objetivo principal deste estudo pós-doutoral em andamento (2015-2017) é compreender as origens da Economia Solidária brasileira a partir da perspectiva de trabalhadores/as pioneiros/as. Como resultados, produziremos um conjunto de narrativas sobre a fundação do movimento, de modo a contribuir para a compreensão das circunstâncias que orientaram os/as trabalhadores/as a organizá-lo, para o registro de sua memória social, e desse momento histórico da classe trabalhadora brasileira. Em linhas gerais, adotamos como marcos teóricos e metodológicos estudos sociológicos e filosóficos da vida cotidiana, de orientação marxista, e estudos da Psicologia Social dedicados aos temas do trabalho no cotidiano, a partir da perspectiva dos/as trabalhadores/as. Como ferramentas, recorremos a entrevistas semiestruturadas prolongadas (etapa finalizada). Em termos procedimentais, a escolha dos/as entrevistados/as seguiu critérios qualitativos de representatividade, de forma a contemplar, ao menos em parte, o desafio concernente à diversidade da Economia Solidária. Desta forma, entrevistamos trabalhadores/as de diferentes regiões geográficas e de distintos setores da economia, como agricultores familiares, trabalhadores fabris e prestadores de serviços. Para tanto, retomamos contato com uma ampla rede, que inclui organizações de representação dos/as trabalhadores/as, para obter indicações de pessoas consideradas legítimas para o movimento. Por se tratar de um estudo em desenvolvimento (2015-2017), não será possível apresentar resultados finais e conclusões. Propomos discutir a proposta da pesquisa, seus principais desafios e escolhas metodológicas, bem como uma seleção de achados parciais. Palavras-chave: Trabalho; Memória; Resistência; Economia Solidária

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
Ações coletivas e o direito à educação no Brasil: 1996 a 2016 (#4656)
Maria Antônia De Souza 1
1 - Universidade Tuiuti do Paraná; Universidade Estadual de Ponta Grossa.
Abstract:
Este trabalho tem o propósito de analisar as ações coletivas relacionadas ao direito à educação no Brasil, no período de 1996 a 2016. O recorte temporal deve-se a dois movimentos importantes para a educação nacional no período: publicação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) no ano de 1996 e a realização de ações coletivas no ano de 2016, incluindo o Encontro Nacional de Educação e as lutas contrárias à Medida Provisória 746, que gerou ocupações de escolas em estados brasileiros. O estudo é de natureza documental, com o olhar voltado para os documentos da sociedade civil, incluindo as cartas e manifestos dos Fórum em Defesa da Escola Pública (FNDEP), Sindicato Nacional de Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES) e Encontro Nacional de Educação de 2016. Também, documentos com teor jurídico, como leis, decretos e medidas provisórias. Ao longo do período estudado houve um conjunto significativo de ações voltadas à problematização dos Planos Nacionais de Educação (2001 a 2011 e de 2014 a 2024). Essas ações são investigadas a partir das publicações feitas pela Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação (ANPED). Do ponto de vista teórico, a análise é guiada pelas contribuições de Gohn (1998) sobre os movimentos sociais na América Latina. A autora compreende que os movimentos sociais “são ações sociopolíticas construídas por atores sociais coletivos pertencentes a diferentes classes e camadas sociais, articuladas em certos cenários da conjuntura socioeconômica e política de um país, criando um campo político de força social na sociedade civil”. É dessa ótica que são analisadas as ações coletivas, sendo algumas delas com caráter de movimento social e outras com caráter de manifestações que podem ou não vir a ser um movimento social. Dentre as conclusões, destaca-se a tensa relação de forças entre sociedade civil e governo, em particular na conjuntura política de 2016. Na conjuntura política de 2002 a 2015 houve possibilidades de diálogos entre sociedade civil e governos, marcada por comissões mistas, interinstitucionais e interministeriais na área da educação. Em 20 anos de LDB, nota-se que em 2016 houve recuo nas políticas educacionais no Brasil, em particular as vinculadas aos interesses da classe trabalhadora. Observa-se o adensamento das ações coletivas para manutenção e ampliação dos direitos educacionais. Palavras-chave: ações coletivas, movimentos sociais, direito à educação.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
Movimientos Socioterritoriales: relaciones e identidad. El caso de la Asamblea Río Cuarto sin Agrotóxicos (#4660)
Maria Eugenia Isidro 1
1 - Becaria Doctoral del CONICET - Universidad Nacional de Río Cuarto.
Abstract:
El modelo agrario de la Argentina agroexportadora registró algunas inflexiones a mediados del siglo XX, pero ha sido desde inicio del siglo XXI que los cambios mostraron nuevos perfiles de la cuestión, reestructurándose así el sistema agrario tradicional y generalizándose un modelo extractivo-exportador donde el incentivo de la rentabilidad tiene su correlato en el acaparamiento de tierras, en la expansión de la frontera agraria y en la utilización masiva e intensiva de agroquímicos provocando un grave impacto socio ambiental. Es lo que se conoce con el nombre de agronegocios (Gras y Hernández, 2013). A la par de estas problemáticas, emergen renovados conflictos socioambientales donde los actores involucrados (gobiernos, empresas multinacionales, vecinos autoconvocados) disputan el acceso y control de los bienes naturales y el territorio. Así, los actores que se oponen al modelo del agronegocio se movilizan, se organizan y, en tanto sujetos políticos, constituyen Movimientos Socioterritoriales (Fernandes, 2000). Éstos, en su cotidianeidad, establecen relaciones internas a partir de la vinculación entre sus miembros y, al mismo tiempo, con otros actores sociales (gobiernos, empresas, organizaciones sociales y políticas, medios de comunicación, etc.), relaciones de poder y no exenta de conflictividades a partir de las cuales van construyendo su propia identidad. En este trabajo se exponen algunos resultados obtenidos de una investigación realizada en el marco de la Maestría en Ciencias Sociales (FCH – UNRC) cuyo principal objetivo es analizar el proceso de construcción identitaria de la Asamblea Río Cuarto sin Agrotóxicos, un movimiento socioterritorial que surge en una agrociudad emplazada en la pampa húmeda argentina y que desde el año 2012 viene ofreciendo resistencia al agronegocio a través de múltiples acciones colectivas tanto directas como institucionales. Siguiendo los lineamientos generales de la etnografía, en esta investigación lo que se intenta es comprender el fenómeno estudiado desde la propia perspectiva de los actores involucrados. Las dos principales técnicas de recolección de datos utilizadas son la entrevista etnográfica y la observación participante.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
Movimento dos trabalhadores sem terra: a educação popular e o forjar de identidades coletivas. (#4672)
Maria Mannuella S. De Almeida 1
1 - UFPE/CAA.
Abstract:
O estudo trata do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a perspectiva da construção de identidades coletivas, a partir de processos educativos presentes na luta pelo direito, dos Movimentos Sociais. Neste trabalho, buscou-se compreender como os processos educativos adentrados nos Movimentos Sociais do Campo contribuem para a formação de identidades coletivas. Os estudos sobre a Educação nos Movimentos Sociais, Educação Popular, e Identidades Coletivas alicerçaram o estudo teórico da literatura na área (ARROYO, 2007; 2012; BRANDÃO 2006; CALDART,2004; CHAUI, 1982; COSTA, 2002; FREIRE, 1983; GONH, 2005; MORIN, 1996; SILVA, 2012), aliando- os a observação participante das práticas educativas realizadas no âmbito do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra,  e a análise dos dados obtidos na experiência com os Sujeitos no âmbito do Movimento, adotando a abordagem qualitativa (MINAYO, 1994) e técnicas de procedimentos  exploratório-explicativas  (OLIVEIRA, 2007) e (GIL, 2005), utilizando o método do caso alargado (LAGE,2005) e a análise de conteúdo temática (BARDIN,2009). A vivência em determinada realidade, é fator basilar para a construção da identidade de um sujeito, que se dá através de vivências numa relação dialógica com o meio.  O sujeito, em especial o Trabalhador Rural Sem Terra, vê-se em uma condição subalternizada, e ao entrar em contato com Movimentos dos Trabalhadores Sem Terra, há um processo de conscientização política adentrado nas práticas educativas do Movimento que contribuem para a formação de identidades coletivas, culminando em um processo emancipador. Neste sentido, a Educação Popular presente no Movimento, coloca-se como uma relação dialógica entre os sujeitos e o seu meio, propiciando aos sujeitos constituírem-se como protagonistas de suas próprias histórias, assim a Educação Popular emerge nos Movimentos Sociais como uma proposição à perspectiva emancipatória. Percebemos, que a construção da identidade coletiva dá-se através das experiências vivenciadas no Movimento, por meio de vivências nos acampamentos, nas reuniões, nas marchas, nas místicas, entre outras ações que contribuem de forma significativa para a formação de identidades coletivas. PALAVRAS-CHAVE: Movimento dos Trabalhadores Sem Terra. Educação Popular. Identidades Coletivas.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
As Fábricas Recuperadas na Experiência da Classe Trabalhadora: filiação histórica e luta antisistêmica. (#4688)
Maurício Sardá De Faria 1; Raquel Uchoa Fernandes 2
1 - Universidade Federal da Paraíba - UFPB. 2 - Universidade Federal Rural de Pernambuco.
Abstract:
A recuperação de fábricas falidas pelos trabalhadores associados não é uma temática nova na experiência do movimento operário. Desde o século XVIII que práticas de cooperação e sociabilidade dos trabalhadores, enquanto forma de produção material da vida social ou instrumento de resistência ao avanço do capital apresentam-se sob a forma institucional de associações. Seja no interior dos locais de trabalho ou fora deles, a realização prática do princípio associativo significava de imediato a contestação das relações sociais de produção do capital, e deste então a associação se fez presente na miríade das formas de luta dos trabalhadores. Com o avanço do industrialismo, e embalados por “febres de coalizão”, os produtores organizavam-se para a resistência e defesa das suas reivindicações mais imediatas, enquanto trabalhadores associados, constituindo estruturas organizativas que já se aproximavam do tipo sindical. Uniões, Ligas, Grêmios e uma infinidade de instituições materializavam a associação e a cooperação entre os trabalhadores na luta por melhorias salariais, melhores condições de trabalho e redução das jornadas de trabalho. (Bruhat, 1952) Tratava-se, ainda, de instituições criadas para a proteção, seguro e previdência dos trabalhadores, abrangendo desde o auxílio funeral, ajuda nos casos de doença ou velhice. Mas serviam também para a sustentação dos trabalhadores em greve e assistência ao desemprego que invariavelmente resultava desses conflitos, como “rabos de greve”. Foi esta a imagem que Marx guardou do rápido contato que travou com as associações francesas, conforme registrou nos Manuscritos de 1844. Naquele momento, Marx percebeu nas associações operárias o fundamento das relações sociais de produção comunistas, prenúncio da transformação do sistema capitalista. As associações realizavam a unificação entre a luta econômica e a luta política, fazendo da própria forma associativa seu mais importante conteúdo. Durante a Ia Internacional, a tarefa de acelerar o trabalho de organização mediante a criação de associações operárias foi considerada condição fundamental para se evitar que a transformação pretendida se perdesse no meio do caminho. Após o massacre da Comuna e a reorganização do movimento operário no plano internacional, essa perspectiva associativista que marcou a Ia Internacional vai ser deslocada, criticando-se as associações de produção pelo seu caráter anódino frente ao crescimento exponencial das unidades produtivas capitalistas, bem como a suposição de que as cooperativas acabavam gerando “egoístas coletivos”, daí a tendência à degenerescência e ao seu aprisionamento no âmbito do mercado. A presente comunicação interroga o possível vínculo orgânico entre o fenômeno atual das fábricas recuperadas pelos trabalhadores e a experiência histórica dos trabalhadores no interior desse modo de produção. Adiantamos, provisoriamente, que as fábricas recuperadas retomam os ideais que marcaram a Ia Internacional, especialmente quanto ao reconhecimento de que a transformação social não pode esperar a conquista do poder político ou a derrocada do capitalismo em função das suas próprias contradições. Daí que o desafio das fábricas recuperadas é difundir as práticas de cooperação e da autogestão por múltiplos espaços da vida social, constituindo desde já a infraestrutura material necessária para a constituição de um novo modo de produção material da vida social.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
Ações de monitoramento empreendidas no âmbito de movimentos LGBTS: o caso do GGB e da ABGLT (#4694)
David Barbalho Pereira 1
1 - Universidade Federal da Paraíba.
Abstract:
Objetiva analisar as atividades de monitoramento de ocorrências motivadas por homofobia desenvolvidas por duas organizações com atuação voltada para o público de Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBT) no Brasil: o Grupo Gay da Bahia (GGB) e a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT). Diferentemente dos estudos de Avaliação e Monitoramento de programas sociais (tradicionalmente alocados conceitualmente nas etapas de avaliação e implementação do modelo analítico de ciclo/processo de políticas públicas), entende-se como pertinente analisar tais ações contextualizando-as nos estudos na etapa de formação da agenda. Discorre sobre os objetivos, métodos e produtos oriundos do mapeamento e monitoramento continuado dos delitos motivados por homofobia em território brasileiro desenvolvidos pelas referidas organizações. Caracteriza-se como um estudo de abordagem qualitativa descritiva, fazendo uso do levantamento teórico e análise documental como instrumentos metodológicos, além da previsão de entrevistas com representantes das organizações. Considera como apontamentos finais a relevância das referidas atividades de monitoramento no levantamento de questões para a agenda governamental, pressionamento do Poder Público e sensibilização da população quanto a necessidade de formulação e implementação de políticas públicas direcionadas ao Público LBGT, traçando paralelos e distanciamentos entre tais iniciativas e o conceito de monitoramento de políticas públicas já consolidado na área.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 16 |
O fazer da autonomia: o processo de formação do sujeito político nas Comunidades Quilombolas do norte Fluminense (#4711)
Fernanda C De S Bastos Sabino 1
1 - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF).
Abstract:
Na presente pesquisa, busca-se compreender o processo de formação de um sujeito político nas comunidades negras da região do norte fluminense, especificamente aquelas que buscam o reconhecimento como quilombolas. Para tanto, será levada em conta o relacionamento e participação dessas comunidades em associações de representação como Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Quilombolas (CONAQ) e a Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do estado do Rio de Janeiro (ACQUILERJ), bem como sua interação com agentes externos[1]. Objetiva-se analisar a atuação das comunidades quilombolas e também os papéis que desempenham esses agentes externos, cabendo saber como se articulam em rede no processo de formação do sujeito político das comunidades quilombolas. Quando se fala em organizações articuladas em rede, pode-se pensar no fluxo e na transferência de informações, ou seja, como a informação circula e é usada como um recurso para lutar por melhores condições de vida. Nesta interação, alguns atores ocupam posições estratégicas tendo sua posição reconhecida pelos demais integrantes.  As redes são um fenômeno de comunicação onde as pessoas se reagrupam em torno de identidades que podem ser étnicas, territoriais, etc. (Castells, 2003) Quando se fala em direitos sociais e políticos não se pode deixar de lado o importante papel dos movimentos sociais, que lutam por sociedades mais igualitárias e inclusivas. Os movimentos sociais diante do fenômeno das sociedades multiculturais ampliaram suas vias de ação diante da emergência de novos sujeitos sociais. Percebendo que estes também são portadores de direitos, os movimentos passam a lutar pela defesa e pelas demandas desses novos grupos (DAGNINO, 2000). Com o objetivo de construir um caminho viável a responder as questões colocadas recorro à orientações conceituais e teóricas sobre: cidadania - pois a construção do sujeito político se liga à ideia de cidadania, que por sua vez está relacionada a um princípio de igualdade com a ampliação da democracia. O engajamento dos movimentos sociais e grupos que buscavam ter mais direitos e participação política na luta por uma sociedade mais justa ampliou os direitos políticos e abriram espaço para reivindicação e criação de novos direitos: relativos às mulheres, quilombolas, camponeses, negos, indígenas, etc.   [1] São agentes governamentais ou não governamentais, como fundações, institutos, ONGs, pastorais sociais, universidades e movimentos sociais que atuam em comunidades quilombolas e promovem ações que vão desde o resgate da história local, perpassando pela exposição das políticas direcionadas aos quilombolas, valorização de sua identidade, organizações de encontros de articulação comunitária para a luta política pela garantia da cidadania e acesso a terra, entre outras.