Loading…


martes 05/12 - Fac. Derecho / Sala 14
10:30 - 12:30 Presentación de PONENCIAS
 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
Las formas de la protesta social en el contexto de la globalización neoliberal (#3983)
Diana Margarita Favela Gavia 1
1 - UNAM.
Abstract:
Partiendo de la consideración de que la protesta social es una de las formas en que se expresa de la lucha de clases, podemos entender mejor sus alcances y limitaciones si la miramos a la luz de su interacción con las características de la acumulación capitalista y el sistema de dominación política que ésta genera. Es decir, si entendemos que lucha de clases, patrón de acumulación y forma estatal son tres componentes interdefinidos de un sistema complejo que define las condiciones y posibilidades de reproducción y contestación de la dominación capitalista, podemos acercarnos a un análisis más certero de las posibilidades que tiene hoy la protesta social para incidir en los cambios institucionales y el aparato estatal. La pregunta que busca abordar esta ponencia es ¿Cómo han influido sobre la capacidad transformadora de la protesta social la emergencia del patrón de acumulación globalizado y el Estado neoliberal? La hipótesis de trabajo es que ambos factores han generado un desmantelamiento del poder que las clases subalternas habían forjado (en torno a sindicatos y partidos), lo que reduce enormemente la potencia transformadora de la protesta en sus formas clásicas, por lo que, para recuperar ese potencial, necesita adecuarse

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
As estratégias do movimento negro contemporâneo e a construção da legislação antirracismo: deslocamentos do sujeito “negro” e da nação brasileira (#3993)
Cinthia Catoia 1
1 - Universidade Federal de São Carlos.
Abstract:
O presente artigo tem como objetivo analisar as estratégias mobilizadas pelo movimento negro contemporâneo, em especial a partir da década de 1970, para a construção de uma legislação antirracismo, ou seja, de um conjunto de normas - de caráter promocional, educativo-pedagógico e coercitivo - que visam à desconstrução do racismo e o combate a toda forma de preconceito e discriminação racial. O artigo propõe, ainda, uma reflexão sobre como as disputas no campo político-normativo, ao problematizar as relações étnico-raciais brasileiras marcadas, de um lado, por um racismo institucional, e de outro, pelo mito de uma democracia racial, deslocou os sentidos do sujeito “negro”, e da nação brasileira. Para a elaboração deste artigo privilegiou-se as reflexões a partir do referencial teórico-metodológico dos estudos pós-coloniais e decoloniais; a revisão da literatura sobre a atuação política do movimento negro nas décadas de 1960 a 1980; a análise documental da Constituição Federal de 1988, bem como de seu processo de elaboração. Tal análise justifica-se em decorrência da participação do movimento negro contemporâneo neste processo. A análise proposta neste trabalho possibilitou compreender as diferentes estratégias do movimento negro no período em questão para a construção da legislação antirracismo, e ao mesmo tempo, para descentralizar e ampliar a luta antirracista no Brasil, por meio do diálogo com o Estado e com outros movimentos sociais. Naquele momento, raça se transformou, no interior da luta política do movimento negro, em uma categoria política, que visava desconstruir o ideal de uma nação mestiça, bem como evidenciar o racismo como elemento estrutural da desigualdade entre brancos e negros na sociedade brasileira.  A luta política do movimento negro na construção da legislação antirracismo objetivou deslocar o lugar de desprivilégio e subalternização da população negra, afirmando sua estética, cultura, subjetividade, cidadania e, no limite, sua própria humanidade. Neste processo o movimento negro rompeu com o ideal de harmonia e homogeneidade nacional, construída simbólica e politicamente; ampliou a compreensão política do racismo, evidenciando o próprio Estado como central para a configuração das relações raciais na sociedade brasileira, e; tensionou nossa imaginação sobre a nação brasileira, ao problematizar a narrativa nacional como dispositivo que representa a diferença como unidade ou identidade. Assim, o movimento negro ao lutar por outros lugares para o sujeito negro, desconstruiu esse mito de unidade, e possibilitou repensar a nação a partir de suas margens, descontinuidades, conflitos e diferenças.  

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
As redes de mobilização na causa do câncer infantojuvenil (#4007)
Raquel Sousa 1
1 - Universidade Federal de Sergipe.
Abstract:
Este trabalho tem por objetivo apresentar o esboço de um projeto de pesquisa que visa analisar as lógicas sociais e estratégias de mobilização em redes dos grupos que atuam na mobilização em prol da causa do câncer infanto-juvenil no Brasil. O objeto de pesquisa a ser investigado trata-se da Confederação Nacional de Instituições de Apoio e Assistência a Crianças com Câncer (CONIACC). A CONIACC foi criada em outubro de 2008 e que atualmente conta com a integração de 52 instituições filiadas de diversas regiões do Brasil. A problemática está em torno de investigar em que momento os movimentos em prol da causa do câncer no Brasil deixam de adotar uma estratégia local para se mobilizarem em redes?  Um dos pontos de análises envolve a investigação de um conjunto de atores sociais inseridos nas mobilizações de apoio assistencial e de combate ao câncer por meio das Organizações Não Governamentais (ONGS), na qual estão incluídas as instituições sem fins lucrativos. Em um estudo anterior que culminou na dissertação de mestrado intitulada ““Filantropia e participação política no movimento do combate ao câncer infanto-juvenil em Sergipe” (SOUSA, 2010), direcionados a investigar grupos que prestam assistência social, material e psicológica ao público infanto-juvenil, localizados no Estado de Sergipe, Brasil, verificou-se que os grupos investigados naquele momento, estavam filiados ao CONIACC. Nesse sentido, têm-se instituições que passaram a se integrar em redes de mobilizações visando à possibilidade de expandir, não só a captação de recursos como também a discussão sobre a promoção de políticas públicas em um contexto local e global. Esse fortalecimento em redes permite que tais grupos atuem além de suas fronteiras, buscando soluções para tais problemas a partir da troca de experiências e intercâmbios que visem possibilitar ações conjuntas, solidárias e de apoio com diversos movimentos. Além disso, pode-se dizer que a integração em redes pode ser um caminho para dialogar com órgãos internacionais, visto que, em razão de critérios burocráticos em fomentar financiamentos, estar atuando em redes presume mais facilidade em atender suas demandas e não estar integrado, pressupõe ter mais dificuldades para financiamentos, redes de contatos e acesso as principais discussões sociopolíticas em torno da causa. Assim, a proposta metodológica irá adotar a pesquisa qualitativa de caráter exploratório, baseada no estudo de caso e observação participante visando fazer uma mediação entre: (1) descrição da conjuntura sóciohistórica de formação dos grupos; (2) descrição do perfil das lideranças que ocupam cargos de gestão na Confederação; (3) análise dos vínculos e relações sociais com os grupos filiados na confederação, assim como os intercâmbios com outras; (4) análise da forma como estes atores sociais atuam junto ao poder público.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
Trajetória do movimento negro unificado em Goiás: os dilemas recentes da resistência negra goiana. (#4025)
Gabrielle Andrade Da Silva 1
1 - Universidade Federal de Goiás.
Abstract:
Este texto é parte de uma pesquisa de mestrado em que busca-se compreender a trajetória e o desenvolvimento do movimento negro no estado de Goiás, desde o período da redemocratização (1988) até os dias atuais (2014). O negro no Brasil, no decorrer de sua trajetória, demonstrou resistência às condições que lhe foram impostas. Desde o período da escravização, por meio dos quilombos ou organizações religiosas, até os dias atuais, através de associações, clubes recreativos ou jornais alternativos, e mesmo que realizada de forma clandestina, a resistência negra foi e é organizada (MOURA, 1983). Para tanto, será apontada a forma como o movimento negro se organizou na luta contra o racismo. Tendo em vista que a resistência da negritude goiana tem diversas ramificações, para a pesquisa proposta será analisado o Movimento Negro Unificado (MNU), além disso, essa investigação será realizada mediante um estudo sobre as conquistas e os principais dilemas oriundos das mobilizações organizadas pelo MNU no estado de Goiás. Vale ressaltar, que a presente pesquisa se faz importante para contribuir com a construção da trajetória do movimento negro na contemporaneidade. Tendo em vista que os heróis e símbolos da resistência negra são, mesmo nos dias atuais, invisibilizados é de grande importância, não apenas para tornar pública essa história, mas principalmente para dar protagonismo devido à negritude goiana, que sempre resistiu de forma heroica as condições de opressão que lhe foram impostas. Para alcançar os objetivos do presente estudo, serão realizadas pesquisas de campo, revisão bibliográfica e documental. Em um primeiro momento será realizado um levantamento e análise das pesquisas já realizadas sobre o Movimento Negro no Brasil, por fim serão realizadas análises dos documentos bem como das pesquisas realizadas sobre o MNU, e só depois serão realizadas entrevistas com ativistas dessa ramificação da resistência negra.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
Economia Solidária, Agroecologia e Tecnologia Social: aproximações entre campos de construção de regimes sociotécnicos alternativos. (#4040)
Adriano Da Costa Valadão 1
1 - UEPG.
Abstract:
O presente trabalho propõe discutir as interfaces entre a da economia solidária, a agroecologia e o que vem sendo chamado de tecnologia social como forma de viabilização de atividades produtivas de comunidades, de grupos de trabalhadores e trabalhadoras e movimentos sociais que se opõe ao modelo de sociedade vigente. Compreende-se que ao mesmo tempo que fazem um movimento crítico, estes grupos sociais precisam desenvolver estratégias de sobrevivência para seus membros. Para tanto este trabalho será realizado com base nas contribuições o aporte da Teoria da Transição de Regimes Sociotécnicos através da Perspectiva Multinível (PMN). Esta abordagem estuda processos de transição sociotecnológicos a partir de três níveis de análise, o nicho, o regime sociotécnico e a paisagem sociotécnica. Os regimes sociotécnicos são o conjunto de técnicas, conhecimentos, tecnologias e interações socioculturais que podem ser determinado corte de análise e que tende a buscar estabilidade, mas que aceitam inovações para resolver determinados problemas ou responder a uma pressão. A paisagem sociotecnológica têm como principal característica é que está além de influência direta dos atores de um regime. Esta paisagem, embora comporte questões estruturais do modelo de sociedade, não se resume a ela. E por fim os nichos são os locais que podem fugir as regras de um regime e produzir inovações ou novidades e que se convergirem em uma determinada direção podem desencadear mudanças nos regimes sociotécnicos. Inicialmente destacaremos um aporte conceitual dos temas deste trabalho, procurando confrontar seus princípios e destacar convergências e divergências entre a economia solidária, agroecologia e as tecnologias sociais. Em seguida confrontaremos com a experiência da IESol/UEPG – Incubadora de Empreendimentos Solidários da Universidade Estadual de Ponta Grossa situada no Estado do Paraná – Brasil, que em seu trabalho de incubação de Empreendimentos Econômicos e Solidários (EES) busca para além do campo da economia solidária, outras propostas com o potencial de impulsionar estes processos de transformação social. Para fins deste trabalho compreendemos que a agroecologia, a economia solidária e as tecnologias sociais com base na PMN têm o potencial de desenvolverem técnicas, tecnologias, artefatos e práticas baseadas na sua realidade local e que são tratadas por estes autores desta perspectiva como novidades. Estas novidades desviam das regras e práticas adotadas pelo regime dominante e possuem o potencial para desencadear a construção de um novo regime sociotécnico com o objetivo de melhorar as condições de vida dos grupos e comunidade em que estão inseridos. Por fim destacamos que esta discussão se trata de uma aproximação inicial desta perspectiva (PMN) para análise estes três campos de conhecimento e de práticas dos movimentos sociais e de organizações dos trabalhadores e trabalhadoras e destacamos os desafios da busca da convergência destes campos.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
Brasil, 2016: instabilidade e/ou vitalidade política?...aprendendo nas escolas e universidades com as ocupações pelos estudantes. (#4042)
Cleide Magáli Dos Santos 1
1 - UNEB.
Abstract:
Desde o desenvolvimento e defesa da Tese de doutoramento em Ciências Sociais (UFBA,2014), intitulada “Da ordem e das desordens: sobre manutenção da ordem pela PM nas ações coletivas de protestos em Salvador na primeira década do século XXI” e, posteriormente na criação e liderança do Grupo de Pesquisa Estado Democrático e Direitos (GPEDD), venho pesquisando a relação entre movimentos sociais/sociedade civil e Estado no contexto brasileiro. No referido contexto, o ano de 2016 marcou a história nacional com uma inusitada instabilidade das instituições democráticas. Foi assim que ocorreram ciclos de protestos (Tarrow, 2009) promovidos tanto por parte de movimentos sociais tradicionais (tal qual o movimento estudantil) quanto através de ações coletivas por grupos não organicamente constituídos. Para Tarrow (1988; 1989) pode-se dizer que é quando a persistência de práticas de mobilização ganha corpo e visibilidade na arena política nacional, isto é, quando torna-se parte da “grande política”. De tal modo, por um lado, essa onda de manifestações mostra uma vitalidade democrática.  Destarte, este trabalho, aborda especificamente as Ocupações das Escolas e Universidades Públicas pelo Movimento Estudantil, em 2016, protestando contra a proposta de reforma no ensino médio e contra a denominada PEC 55 (Projeto de Emenda Constitucional no. 55) que limita o teto de investimentos dentre outras áreas em Educação por 20 anos, propostas já aprovadas pelas câmaras legislativas, no final desse mesmo ano. Nessa conjuntura, a Ocupação, pode ganhar significado de contestação de uma dada Ordem.  No rol dos “desafiadores da ordem”, os jovens estão incluídos, uma vez que, mobilizados, apresentam forte característica de contestação/contraposição. Portanto, trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa sobre a retrospectiva das Ocupações; os novos repertórios; a expansão das oportunidades políticas, bem como, a acentuação das restrições através da reação violenta do Estado brasileiro utilizando as forças de segurança pública contra os protestos/manifestações. Enfim, esse artigo propõe apresentar uma análise do aspecto dinâmico e interativo do confronto político (Tarrow, Tilly e McAdam, Cambridge, 2001; Brasil, 2009) estabelecido no país e, ainda propõe a reflexão sobre uma questão da realidade brasileira, hoje encarada por alguns autores (Gusson,2008; Sanson, 2008; Bodart,2013; Santos, 2011, 2013, 2014; Silva, 2015; Moraes & Moraes,2016; Pardo,2016), a saber: nossa recente experiência democrática seria culpada pelo recrudescimento das políticas de criminalização dos movimentos sociais?

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
Movimentos e Organizações Sociais Rurais que atuam na Reunião Especializada sobre Agricultura Familiar (REAF) Mercosul (#4052)
Zimmermann Silvia Aparecida 1; Aquino Silvia Lima 1
1 - UNILA.
Abstract:
A Reunião Especializada sobre Agricultura Familiar (REAF) Mercosul surgiu em 2004, sendo um fórum formado por representantes de governo e da sociedade civil vinculados aos países do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela) e Mercosul Ampliado (Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru). Este fórum tem contribuído para a difusão e troca de experiências de políticas públicas para a agricultura familiar na região. Na REAF, destaca-se a presença da Confederação de Organizações de Produtores Familiares do Mercosul (COPROFAM), que envolve doze organizações sociais. Também, participa a Via Campesina, que envolve mais de cento e sessenta organizações e movimentos sociais rurais do mundo, sendo cerca de quarenta organizações e movimentos sociais apenas na América Latina. O espaço público proporcionado pela REAF contribui para aproximar diferentes atores políticos, sobretudo, aproximar as organizações e movimentos sociais rurais das decisões políticas das instituições governamentais dos países na região. Este trabalho tem por objetivo discutir experiências latino-americanas de organizações sociais e movimentos sociais rurais que atuam na Reunião Especializada sobre Agricultura Familiar (REAF) Mercosul e influenciam a discussão das políticas para agricultura na região. A metodologia de pesquisa esta vinculada a um projeto de extensão em que atuam as duas pesquisadoras. O referido projeto de extensão permite a participação das pesquisadoras nos eventos da REAF, que ocorrem semestralmente, seguindo agenda rotativa nos países do Mercosul. É a partir deste acompanhamento, favorecido pelo projeto de extensão, que podemos ter contato com os debates encampados pelas organizações e movimentos sociais vinculados a REAF. Entre os resultados, constata-se que, mesmo com divergências, tanto COPROFAM quanto Via Campesina se unem para defesa de políticas para agricultura familiar na REAF, fortalecendo as demandas da sociedade civil neste espaço público.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
Relación entre Estado y sociedad: Indígenas entre la contestación y la dominación (#4054)
Nelba Fuertes Sánchez 1
1 - Flacso Ecuador.
Abstract:
El problema analítico que enfrentamos tiene que ver con los modos en que se reconfigura la dominación hacia los indígenas en la sociedad boliviana. En específico, queremos explicar cómo emerge un actor particular entre el movimiento indígena, con demandas propias de tierras bajas, y cómo el Estado se relaciona con ese actor y lidia con sus demandas colectivas (territorios, autodeterminación y autonomía entre otros). En el presente estudio buscamos analizar la dinámica que se teje entre el conflicto político, los cambios y la reconfiguración de los modos de dominación. El debate gira en torno a los modos de comprender las relaciones de dominación y las tensiones entre estructura y agencia en el marco de la acción colectiva, entendido aquí como espacio de articulación donde interactúan ambos enfoques. El objetivo es dar cuenta de la (re)configuración de “pactos de dominación” que se establecen durante los conflictos políticos, donde operan lógicas de resistencia, negociación y adaptación de los actores. En este sentido, recurrimos a herramientas teóricas que nos permiten explicar los modos en que funciona la dominación política, la forma en que se estructuran las relaciones de poder entre Estado y sociedad, y el carácter que adquiere la acción colectiva de los grupos sociales que promueven el cambio. Se plantea la siguiente pregunta analítica: ¿cómo operan las dinámicas de relacionamiento entre Estado y Movimiento Indígena de Tierras Bajas en Bolivia durante las contiendas políticas entre 1990 y 2012?  Más de dos décadas de conflicto político entre el Movimiento Indígena de Tierras Bajas (MITB) y el Estado boliviano nos permiten estudiar, comparativamente entre un antes y un después, aspectos como la configuración de demandas y actores en pueblos indígenas de tierras bajas, los modos de atender lo étnico en dos procesos políticos diferentes en Bolivia, y la reconfiguración de relaciones de dominación de los sectores subalternos como un continuum. Metodológicamente optamos por una estrategia de análisis procesual porque nos permite ver los cambios y/o continuidades en las dinámicas de relación en momentos estatales distintos.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
Luchas por la hegemonía y movimientos sociales en el actual contexto latinoamericano: ¿agotamiento, final o redefinición del ciclo progresista? (#4080)
Alejandro Casas 1; Alicia Brenes 1
1 - FCS, UdelaR.
Abstract:
Sabido es que luego del período de hegemonía neoliberal en el subcontinente, sobrevino una ola de luchas socio-políticas, con importante protagonismo de los movimientos sociales, que favoreció la emergencia y desarrollo de gobiernos de orientación progresista o de centro izquierda. Desestimando la tesis de “las dos izquierdas”, dichos gobiernos han mantenido estrategias relativamente compatidas en el plano de las concepciones político-económicas (incluso en el plano regional), que los ubicarían en un campo de “impugnación” de los legados neoliberales (Thwaites Rey, 2016). Parecería más razonable hablar de izquierdas “renovadoras” y “refundadoras” (cf. Pereira da Silva, 2015: 20-22), siendo parte de un mismo ciclo y compartiendo un piso básico de reinvidicaciones comunes y progresistas. En estos últimos años este ciclo entra en crisis. Al contexto menos favorable a nivel de los precios de las commodities, deben sumarse las propias contradicciones de dichos gobiernos y coaliciones socio-políticas en AL, al mismo tiempo que se han promovido explícitamente procesos de desmovilizacion de luchas populares y movimientos sociales. (cf. Falero, 2014). Sin duda no parece haberse avanzado sustantivamente en la formación de bloques históricos contrahegemónicos que afectaran al poder económico y social realmente existente, en un sentido democratizador y poscapitalista, al menos en la amplia mayoría de las experiencias. Pero debe indicarse una clara ofensiva de la derecha política y económica, por ejemplo con los gobiernos Macri y Temer, que se combina con el auge de movimientos conservadores y un clima de “neofascismo social” a nivel del capitalismo mundial. Los análisis sobre esta crisis parecen tender hacia polos relativamente irreconciliables, ubicándose entre la defensa y valoración de lo hecho (Sader o Linera p.ej.), o la crítica en cuanto al agotamiento o crisis terminal de este ciclo. (cf. Svampa o Gudynas), o con posiciones más intermedias (cf. Modonesi). Las explicaciones más bien dicotómicas parecen ofrecer pocas pistas interpretativas para una comprensión cabal de los procesos y tensiones actuales. El trabajo profundiza en dichas dimensiones concercientes a los orígenes, desarrollo y crisis de tentativas de constitución de bloques históricos y luchas por la hegemonía en Nuestra América, con particular énfasis para los movimientos sociales, para centrarse en el análisis crítico sobre las interpretaciones de la crisis actual. Bibliografía Falero, A. (2014): "Del cambio a la contención del cambio: período bisagra en América Latina?. En Acosta, Y.; Casas, A.; Mañan, O; Rodríguez, A.; Rossi, V.: Sujetos colectivos, Estado y capitalismo en Uruguay y América Latina. Perspectivas críticas. Montevideo, Espacio Interdisciplinario, UR- Trilce, pp.19-32. Pereira da Silva, F. (2015): Democracias errantes. Reflexoes sobre experiencias participativas na América Latina. Rio de Janeiro, Ponteio, 1era ed. Thwaites Rey, M. (2016) “La impugnación al neoliberalismo y su crisis”. La diaria, 20 mayo de 2016. Montevideo.  

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
A Pluralidade de Motivações das Ações Coletivas na América Latina: Casos Brasil e Colômbia (#4113)
Dana Milena Chávarro-Bermeo 1;
Wellington Pinheiro 1
1 - UFPE.
Abstract:
Este trabalho faz uma análise dos movimentos sociais que emergiram na América latina nos últimos anos a partir da noção de pluralidade de motivações, envolvendo comparativamente o Brasil e a Colômbia. No Brasil serão analisadas a pluralidade de motivações proposta pelo (MPL) Movimento Passe Livre; na Colômbia analisamos as motivações proposta pelo (MAPA) Movimento Marcha Patriótica. A finalidade desta pesquisa consiste em realizar uma releitura das ações coletivas no Brasil e na Colômbia a partir da pluralidade de motivos da ação social a fim de compreender a construção de novas racionalidades para o agir dos agentes sociais. Assim, por um lado, nosso texto apresenta a discussão da pluralidade de motivação encontrada no processo político de Sidney Tarrow. Para ele a ideia de estruturas de mobilização e das oportunidades política denotam uma nova maneira de compreender o fenômeno das mobilizações sociais. Sobretudo, ao compreender que a dimensão cultural das tramas do cotidiano ressignificam a interpretação do mundo sociocultural nas microinterações do agir interativo. Por outro lado, autores como Martins (2012; 2016) e Caillé (2013) defendem que a pluralidade de motivações no contexto das ações coletivas anti-utilitaristas da vida convivialista dos agentes sociais desencadeiam à disposição dos indivíduos para se mobilizarem em torno de propósitos comum e da gratuidade do agir social, ou seja, compreender as ações coletivas nessa perspectiva nos permite compreender as relações sociais para além da perspectiva egoísta do interesse cartesiano do homo economicus e das relações normativas de comportamentos defendidas pela visão positivista da sociedade (GODBOUT, 1998; MARTINS, 2016).Teoricamente, nossa proposta é compreendida, principalmente, a partir de alguns pensadores, a saber: Martins (2015; 2016), Caillé (2002; 2013), Souza Santos (2012), Gohn (2013; 2015), Bringel (2013; 2015), Tarrow (2009; 2015) dentre outros. Em particular, Tarrow (2009) e Bringel (2015) contribuem para aprofundar essa discussão das ações coletivas projetada numa perspectiva transnacional dos movimentos sociais. Metodologicamente, as análises dessas ações coletivas serão realizadas a luz do interpretativismo social proposto por Creswel (2010) e Bogdan & Biklen (1994), sobretudo, ao entender que os contatos face a face, a construção de valores e a circulação de laços de solidariedades são construídas no fluxo contínuo da construção social da realidade destas ações coletivas. Com isso será possível compreender como a pluralidade de motivações das ações do MAPA e do MPL constituem uma nova racionalidade das ações coletivas sintonizadas com o “espírito da dádiva”. De certo modo, defendemos que essas ações sociais se inspiram também nos movimentos sociais convivialista como o buen vivir boliviano, por exemplo.  

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
Exploración de los procesos identitarios de actores de la educación, en el marco de los bachilleratos populares desde 2001 en Argentina (#4145)
Melisa Ambay Burgos Vaamonde 1; Carla Vitullo 1
1 - Universidad de Buenos Aires - Facultad de Ciencias Sociales.
Abstract:
Desde la crisis de 2001, la configuración de entramados políticos y sus consecuentes procesos económicos y sociales, impactaron principalmente sobre las clases populares. Los modos de organización colectiva que ofrecieron resistencia frente a tales cambios, y las identidades de los sujetos implicados en cada uno de estos casos, se vieron atravesados por procesos de exclusión en diversos ámbitos.En tal sentido, el presente trabajo se enmarca en el Proyecto UBACyT “Poblaciones trabajadoras extinguibles y post-neoliberalismo en el siglo XXI. Métodos y procesos sociales de trabajo en los límites del colectivo” dirigido por Alberto Bialakowsky, de la carrera de Sociología de la UBA, de la cual somos cursantes. Con fines exploratorios y desde un abordaje cualitativo a través de la utilización de entrevistas en profundidad, pretendemos analizar los procesos identitarios que se dan en el pasaje por una experiencia de Educación popular, en términos de la pedagogía de Paulo Freire, en los Bachilleratos Populares de distintas agrupaciones políticas, que se sitúan en Capital Federal. Entendiendo las identidades sociales en términos relacionales, que si bien actualmente tienden a expresarse en identidades más frágiles y volátiles (Dipaola, 2013) nunca se encuentran completamente desencastradas de una matriz conflictiva de relaciones sociales (Swampa, 2003), buscamos caracterizar sus permanentes transformaciones en el marco de acciones colectivas  y en la particularidad de lo alumnos y docentes desde su rol en el marco educativo de los bachilleratos populares.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 10:30 - 12:30 | Fac. Derecho | 14 |
Movimientos Sociales en el México de 2011 - 2016: profetas que develan la vigencia de la economía criminal y el Estado narco en un país subordinado por la globalización neoliberal. (#4164)
Luis Rigoberto Gallardo Gómez 1
1 - Universidad de Guadalajara.
Abstract:
Las clases dirigentes mexicanas se han empeñado en ser parte subordinada y dependiente del proyecto hegemónico en la globalización neoliberal (Preciado, 2010), sin pensar en implicaciones políticas de conceptos tales como soberanía nacional, interés popular, vigencia de estructura democrática y derechos humanos (TPP, 2014). Ello ha implicado la destrucción de la estructura jurídico - económica - política existente, el detrimento del Estado de derecho y de niveles de bienestar de sectores populares y medios de la población (Meyer, 2015). Los actos de despojo y violencia en todas las dimensiones de la vida son más frecuentes. Respetables autores sustentan empíricamente que el proceder de las clases dominantes ha abierto espacios a la economía criminal y al Estado narco (TPP, 2014; Calveiro, 2012 y 2014; Solís 2013). Movimientos sociales del último lustro muestran que se generó nueva oleada de descontento profundo de clases populares y medias respecto de las nuevas condiciones socioeconómicas y políticas existentes, y de las formas agresivas y extralegales con que sectores dominantes se apropian de bienes, ejercen dominación política, control y desarticulación de protesta social. (González Casanova, 2012; Meyer, 2015; Bartra, 2016). Los potentes movimientos sociales del último lustro muestran una considerable diversidad de sectores y de regiones del país en lucha, uso de nuevas tecnologías de información, estructuras organizativas horizontales, dirigencias invisibles pero capaces de generar ó activar  redes sociales que hacen resonar protesta en escalas local, nacional e internacional, generando presión política. Estos movimientos tienen un componente de denuncia de las desviaciones en que clases dominantes y Estado incurren -en términos del manejo de la economía y de la escasamente democrática estructura política-; y con su decir y hacer  anuncian el tipo de estructura política y de relaciones económicas que desean construir. (Bringel, 2014; Alonso, 2014). El Movimiento por la Paz con Justicia y Dignidad (2011-2013): desnudó la profunda corrupción electoral, la violencia guerrerista y la insensibilidad presidencial ante dolor de ciudadanos; exhibió sumisión mexicana ante “política antidrogas” estadunidense; mostró ineficacia de “Guerra contra el narco”. El Movimiento de las Autodefensas de Michoacán (2011 – 2013): mostró que crimen organizado logró instalarse gracias a su alianza con funcionarios municipales, estatales y federales y con representantes de fuerzas armadas; exhibió la política de criminalización de la protesta social. El Movimiento de la Comunidad Indigena de Cherán (2011 – 2016): exhibió criminal despojo de recursos naturales que sufren comunidades indígenas por parte de grupos criminales aliados a funcionarios municipales, estatales y federales de un Estado corrompido. El Movimiento Ayotzinapa (2014 – 2016) mostró que el Estado llega a operar como Estado-narco y se confunde con él; exhibió actores criminales ocultos de la globalización: grupos criminales, empresarios, funcionarios políticos de todos los niveles de gobierno y militares implicados en el clandestino mercado de drogas. El Movimiento de la Coordinadora Nacional de los Trabajadores de la Educación (2013 – 2016) exhibió las estrategias jurídico-político-represivas de élites neoliberales y su Estado cómplice, que desmantelan la estrucura de derechos ciudadanos y consuman la privatización de bienes y servicios publicos.