Loading…


martes 05/12 - Fac. Derecho / Sala 16
14:00 - 16:00 Presentación de PONENCIAS
 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
Violência e criminalização de protestos e mobilizações populares: do Brasil da redemocratização ao ciclo de protestos de 2013 (#5530)
Costa De Almeida Brena 1
1 - PUC-Rio.
Abstract:
Esse trabalho apresenta uma análise acerca dos elementos de continuidade e mudança que compõem os processos de violência e criminalização dos protestos e mobilizações populares no Brasil. Tomaremos como base um resgate do debate teórico realizado no período da redemocratização brasileira, buscando identificar traços que possam contribuir para delinear uma agenda de pesquisa sobre o problema na atualidade. Tais estudos encontram-se profundamente marcados pelos atravessamentos da história política do país e desenvolvem sentidos em meio às nossas ambiguidades e dilemas sócio históricos, podendo oferecer contribuições gerais para as análises sobre o tema na América Latina. Tomando como parâmetro as profundas transformações econômicas, políticas e sociais do período da redemocratização brasileira, pretendemos alcançar as concepções de violência conduzidas por autores que abordam a temática dos movimentos sociais e mobilizações, visando compreender tanto o que era pensado sobre a violência das instituições de controle do Estado contra movimentos sociais e em protestos, quanto a violência nas próprias ações coletivas dos sujeitos em mobilizações populares. Além disso, cabe destacar a atualidade do problema a partir do contexto de emergência das lutas de 2013 no Brasil. Desse modo, observamos a experiência dos sujeitos mobilizados em alguns dos muitos níveis específicos de violência e criminalização das lutas populares, analisando o papel do judiciário, do legislativo, do executivo e da imprensa tradicional nesse processo. Nesse sentido, entre as continuidades e mutações de nossa democratização inacabada, apresentamos alguns dos pressupostos teóricos do contexto histórico-político que atravessou as discussões no período da redemocratização no Brasil, trazendo elementos importantes para construção de uma agenda de pesquisa que permita pensar os processos de violência e criminalização no presente de nossas relações.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
Continuidades e descontinuidades de conflitos fundiários em Nova Iguaçu e Japeri: Narrativas a partir de Pedra Lisa (#5534)
Gabriel Souza Bastos 1
1 - CPDA/UFRRJ.
Abstract:
Propomo-nos a analisar neste trabalho as lutas pela terra em Japeri e Nova Iguaçu entre os anos 50 até os dias atuais, tendo os casos de Pedra Lisa enquanto eixo narrativo central, por conta de sua centralidade e protagonismo. O que nos chama atenção no processo é o contraponto entre descontinuidades e continuidades das diferentes fases históricas que podemos nele distinguir, tanto na configuração dos conflitos quanto na organização de movimentos sociais nele engajados. Assim, por meio de uma análise de base histórica e etnográfica dos conflitos fundiários da região e reações repressivas de que vêm sendo objeto, pretendemos pôr em evidência certos aspectos do processo até o momento pouco visíveis, bem como compreender as reverberações desse passado nos dias atuais tanto nos conflitos por terra quanto no modus operandi das organizações camponesas.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
Participação e resistência social: formas representativas da ação popular (#5536)
Guimaraes Wanda 1
1 - PUC RIO.
Abstract:
  Este texto tem como objetivo desenvolver algumas reflexões em torno da participação social e seus desafios. Num tempo em que a participação é palavra chave para garantia de direitos e formulação de políticas públicas, cabe refletir como numa democracia tão jovem e frágil como a do Brasil, vamos construir consensos a partir do jogo das diferenças nos variados espaços de formulação de políticas. A ideia central é discutir que tipo de participação queremos ou estamos exercitando, diante dos diferentes modelos. Podemos afirmar que a participação é uma palavra chave na sociedade moderna, e  no Brasil a participação social é um direito previsto na Constituição de 1988, que contou com a sociedade civil através de emendas populares, definiu a descentralização e a participação popular como marcos no processo de elaboração das políticas públicas, especialmente nas áreas de políticas sociais estabelecendo um contexto favorável à participação nos processos de tomada das decisões políticas essenciais ao bem-estar da população. Na década de 1980, vimos a sociedade ampliar sua atuação num processo de mobilização pelo fim da ditadura militar, conquistando novas instâncias de participação da sociedade no campo das políticas sociais. A partir daí, vimos a generalização de experiências participativas no país que trazem uma promessa de democratização da sociedade. Assim, os direitos à participação política, são considerados essenciais mas saem do papel só quando se transformam em políticas sociais, e as políticas sociais só têm êxito se tiverem a participação dos cidadãos na sua elaboração e fiscalização.  ‘Um movimento social é sempre uma expressão de uma ação coletiva, e decorre de uma luta sociopolítica, econômica ou cultural. Usualmente ele tem os seguintes elementos: demandas que configuram sua identidade, adversários e aliados; bases, lideranças e assessorias - que se organizam em articuladores e articulações e formam redes de mobilizações -; práticas comunicativas diversas que vão da oralidade aos modernos recursos tecnológicos; projetos ou visões de mundo que dão suporte a suas demandas; e culturas próprias nas formas como sustentam e encaminham suas reivindicações’. São também capazes de aprender sobre o mundo e sobre si, alterando e revendo suas demandas, propostas e parcerias. (GOHN, 2014).               Apesar de todos os esforços e lutas coletivas em curso até hoje, poucos movimentos sociais se configuram estruturados com autonomia e, emancipadores dos seus partícipes, ao invés de meramente integratório, conservador e criadores de comunidades e coletivos autorreferenciados. Os espaços de participação podem ser utilizados como manobra de cooptação. A aproximação estatal pode ter por finalidade domesticar, disciplinar e esvaziar demandas e possíveis mobilizações.  A participação confere outro ciclo caracterizado pela relação direta que se estabelece entre a participação cidadã, a mudança da consciência política, e a diminuição das desigualdades.  Repartir o poder nas ações decisórias  deve ser um caminho a ser perseguido, assim como construir ou reformar espaços públicos verdadeiramente democráticos é uma estratégia que pode reinventar o debate. Alargar a participação é preciso.             

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
El rumbo inicierto de la esperanza. Guerrilla, población civil y posacuerdo en los Llanos del Yarí (Caquetá, Colombia) (#5552)
Simón Ladino Cano 1
1 - Universidad Nacional de Colombia.
Abstract:
Los Llanos del Yarí son una bioregión ubicada en el suroriente de Colombia, en un enclave de transición biológica entre la altillanura orinocense y el bioma amazónico, que se ha posicionado en la geografía de la guerra como una de las retaguardias estratégicas de las FARC-EP -durante al menos las últimas tres décadas, las de mayor intensidad de la confrontación armada-. Lo anterior conllevó a convertirle en un escenario principal de depliegue de la guerra contrainsurgente, a través de ofensivas militares -enormemente violatorias del DIH y de los DDHH de la población civil- como el denominado Plan Patriota desatado por Álvaro Uribe durante su primer período de gobierno. Sin embargo, la criminalización de la vida en el Yarí conoció un giro afectivo con el anuncio de los acuerdos de La Habana entre las FARC y el Gobierno de Colombia: de la zozobra de la guerra quedan hondas cicatrices emocionales, pero el fragor de los combates parecen parte del pasado y, aún pese a la incertidumbre, empiezan a aflorar nuevas estructuras de sentimiento relacionadas con las expectativas de otro futuro posible. En clave de comprender los riesgos, obstáculos y potencialidades de un proceso de reterritorialización en el período de posacuerdo, esta ponencia -producto de una investigación de nueve meses- indaga por tres aspectos de la configuración territorial de los Llanos del Yarí, haciendo uso de una metodología cualitativa que aplica técnicas como la entrevista semi-estructurada, la observación participante y la revisión documental en los niveles de análisis macro, meso y microsocial: 1) antecedentes históricos de la colonización campesina en el Yarí y génesis de una forma de soberanía territorial basada en la legitimidad del proyecto insurgente; 2) análisis de la configuración socioespacial del territorio, las dinámicas de acumulación de capital  y la posición geoestratégica del Yarí en la actualidad del régimen de acumulación de capital en Colombia; y 3) formación de estructuras de sentimiento entre la población civil y, en general, rehabilitación de la esperanza utópica entre los miembros de la fuerza insurgente (en todos los niveles de la línea de mando) y de los campesinos en relación con el anhelo de cambios perceptibles en el territorio y en la perspectiva teórico-práctica de determinar espacios viables para la acción política en diferentes escenarios potenciales de futuro. En suma, se trata de interpretar -a la luz de un pasado conflictivo y un presente transicional- un futuro que (aunque incierto) es acotado por el efecto movilizador de emociones y sentimiento que tiene la inminente implementación de los acuerdos de La Habana y su promesa de transformaciones estructurales entre la población de una región que se encuentra a la expectativa de la esquiva paz en Colombia.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
Organizações não governamentais: o caso da Velaumar / assessoria, desenvolvimento e cidadania (Fortaleza-CE) (#5566)
Neivania Silva Rodrigues 1
1 - Universidade Federal do Ceará.
Abstract:
A pesquisa, ainda em andamento, é sobre a atuação de organizações não governamentais em comunidades pobres. Está sendo realizado um estudo de caso sobre o Poço da Draga, localizado na Praia de Iracema, em Fortaleza-Ceará, bairro de grande valorização imobiliária. Os moradores do Poço auferem baixos rendimentos e vivem em condições precárias de saneamento básico. A ONG Velaumar (Assessoria, Desenvolvimento & Cidadania), entidade criada em 2004 por um grupo de moradores presta serviços, tais como cursos, oficinas, palestras e programas educativos, em parceria com o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC), o Sindicato dos Fazendários do Ceará (SINTAF) e outras instituições. A ONG também participa de atividades pertinentes à regularização da Zona Especial de Interesse Social (ZEIS) do Poço da Draga, instrumento urbanístico criado pelo Plano Diretor de Fortaleza, em 2009, que traria mais segurança contra as ameaças de remoção. A pesquisa pretende enfocar as relações entre a Velaumar e dos moradores do Poço da Draga e como ela se apresenta à comunidade. Outro objetivo é entender sua relação com o poder público e identificar quais os recursos políticos-institucionais e financeiros utilizados em sua atuação. Também se pretende verificar como é a relação da ONG e da comunidade com a obra Acquario Ceará, empreendimento do Governo do Estado sob a responsabilidade da Secretaria de Turismo do Estado (SETUR), que está sendo construído próximo ao Poço da Draga. O Acquario tem sido objeto de contestação por movimentos sociais e sofre ações dos ministérios públicos estadual e federal.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
O diálogo nas práticas educativas dos movimentos sociais: organicidade, sociabilidade e direitos sociais. (#5575)
Mouraes Rosilene Silva 1;
Palhano Silva Paulo Roberto 1; Batista Maria Nilda Faustino 1;
Netto Celestino 1; Bianca Joelma 1; Nunes Passos Daniel Deyson 1; Linhart Jan 2
1 - GEPeeeS - UFPB. 2 - GEPeeeS-UFPB.
Abstract:
As ações educativas possibilitam a formação do capital cultural dos movimento social - grupos indígenas, feiras agroecologicas, grupos culturais - fortalecendo a organicidade, sendo referencia para sociedade, expressando-se como sujeitos de direitos, praticantes da sociabilidade, vivenciadores da economia solidária, difusores do consumo consciente, da agroecologia e da educação para todos. A formação desencadeada pela a Incubadora Popular e Solidária do Vale do Mamanguape, sendo resultado da demandas identificada pela pesquisa desenvolvida pelo Grupo de Estudos em Educação, Etnia e Economia Solidária-GEPeeeS na Universidade Federal da Paraiba–Brasil. A ação fundamenta-se na teoria dialogica gerada por Paulo Freire, cujos eixos são: 'co-laboração',  'unir para libertar', ‘organização' e 'sintese cultural'. Eixos articulados com o método: 'ação-reflexão-ação' que colabora na leitura do mundo. Com o diálogo se verifica avanços, inclusive com o fortalecimento da base social. Freire (1987, p. 44) aponta que “não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão”. O diálogo de FREIRE (1987) refere-se a palavra pela qual os sujeitos tem direito, assim como a práxis que está relacionado a transformação da realidade, ou seja, a partir do momento que o sujeito se pronuncia de forma reflexiva e solidária, deixando o outro exercer seu direito de falar e não apenas pronunciar enquanto o outro escuta passivamente, estar promovendo a libertação do homem e a valorização das diversidades. “Se alguém não é capaz de sentir-se e saber-se tão homem quanto os outros, é que lhe falta ainda muito que caminhar, para chegar ao lugar de encontro com eles. No encontro, os homens fazem a pronuncia do mundo e realizam a comunhão de saberes, analisa FREIRE (1987, p. 46). Como resultado observou-se: a) maior sociabilidade no interior do movimento e com a socidade; b) ampliação da organicidade; c) conquista de direitos; d) melhoria no processo produtivo; e) fortalecimento campo educativo e da ação coletiva. FREIRE anuncia que “educar e educar-se, na prática da liberdade é tarefa daqueles que sabem que pouco sabem – por isto sabem que sabem algo e podem assim chegr a saber mais – em diálogo com aqueles que, quase sempre, pensam que nada sabem, para que estes, transformando seu pensar que nada sabem em saber que pouco sabem, possam igualmente saber mais” (1979,p.25). Essa prática gera cultura, diz Laraia (1986,p.43). Esses sujeitos pelo dialogo cruzam e intercruzam lutas e exigem seus direitos, articula GRZYBOWSKI (1987,p.49). As lutas cívicas, destaca Gohn (1995, p.205) instalaram-se no Brasil produzindo políticas educativas responsáveis pela consciência critica. “O estabelecimento do ‘diálogo buscando conscientização’ é algo primordial em toda a obra Paulo Freire”, realça PALHANO SILVA (2016, p.1).

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
un parque para Yaritagua: sentidos producidos sobre la participación, una interpretación desde el desarrollo humano (#5599)
Hennielys Anais Querales Machadi 1; Jesús Eduardo Canelón Pérez 1
1 - Universidad Centroocidental Lisandro Alvarado.
Abstract:
Este trabajo de investigación, tuvo como propósito comprender los sentidos que los miembros de la organización Un Parque para Yaritagua le atribuyen a la participación, como una herramienta para la construcción, apropiación, e identidad de las personas con sus espacios públicos y naturales en la ciudad. Cabe destacar, que las acciones que llevan a cabo los miembros de dicha organización, apuntan a la sostenibilidad ambiental en el  Desarrollo Humano, ya que actúan en pro de conservar el ambiente en cada una de las actividades que realizan en el Cerro La Matica y el Cerro Guaremal, que son espacios naturales, a través de reforestaciones, recolección de desechos y “sembrar conciencias”, como ellos le llaman al hecho de cambiar actitudes y aptitudes en las personas en cuanto al cuidado ambiental se refiere. A pesar de que son una organización de tipo “informal” es decir, que no tienen un registro civil, el grupo se consolida y crea su propia “forma” a través de las relaciones interpersonales que existen entre sus miembros, compartiendo ideales y desarrollando capacidades colectivas como: Afiliación; Adaptación y Renovación. Me guié teóricamente y metodológicamente desde la perspectiva socioconstruccionista, apoyándome en el método de las Prácticas Discursivas como análisis interpretativo del cotidiano de las personas dentro de la organización. En dicho análisis presento entre otras consideraciones, cómo las personas a través de la participación por irrupción, influyeron en que los encargados de la gestión pública crearan el Paseo Hugo Chávez; y cómo dentro de la ciudad se están retomando nuevamente los espacios naturales que desde hace años atrás se encontraban en desuso.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
Novas estratégias nas lutas estudantis no Brasil: Movimentos de ocupação em escolas e universidades. (#5606)
Fernando Vieira 1; Italo Aguiar 2
1 - IUPERJ. 2 - PUC-RJ.
Abstract:
  Em Junho de 2013, o Brasil foi marcado pela tomada das ruas por uma difusão de variados movimentos com matizes e propostas, por vezes, antagônicas. Nesse processo, novas formas de pensar a luta política foram pensadas.consideramos como hipótese, a percepção de que a retomada dos espaços públicos por parte de um novo movimento estudantil, demandou  novas estratégias de luta.  Passou a ter significância o processo de ocupação das escolas e / ou universidades públicas e privadas pelos estudantes. Organizando-se em coletivos que dividem tarefas, os estudantes realizam atividades culturais, debates e reflexões sobre sua realidade escolar e sobre os temas políticos nacionais. Buscar compreender essa estratégia, perceber seus objetivos e analisar o impacto das mesmas é a meta do presente trabalho.  

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
La Dimensión Simbólica de la Acción Colectiva Indígena Contemporánea (#5626)
Claudia Andrea Villagrán Muñoz 1
1 - Instituto de la Comunicación e Imagen (ICEI), Universidad de Chile.
Abstract:
Una relación intercultural, de carácter asimétrica, es la que ha marcado la interrelación histórica entre las sociedades nacionales latinoamericanas y cada uno de los pueblos indígenas de nuestra región. Frente a ello, las poblaciones originarias han exhibido una variedad de tácticas y estrategias de movilización social acorde al tiempo histórico social atravesado, tanto para resistir como para avanzar en sus demandas y consecución de derechos específicos. En la actual Sociedad de la Información y Comunicación globalizada no cabe duda que la disputa por el nombrar/se y representar/se ha sido un objetivo prioritario de los actores sociales hegemónicos, pero también de aquellos actores subalternizados que han pugnado por hacer oír sus voces con el propósito último de validarse sociocultural y políticamente. Durante la llamada reemergencia indígena continental (1990 en adelante), los pueblos originarios de nuestra región han erigidos estrategias comunicacionales en una doble dimensión, es decir, en la construcción de sus discursividades políticas y en la massmediatización de ellas (autogestionando diversas plataformas comunicacionales para difundir sus ideas).  Con el propósito de rebatir antiguas y nuevas omisiones, tergiversaciones y estigmatizaciones, que (re)construyen las representaciones sociales dominantes y racistas que sobre ellos se publicitan en las esferas públicas nacionales, los comunicadores indígenas utilizan sus propios recursos identitarios, culturales y de memoria colectiva para disputar su autorepresentación sociocultural y política en las actuales sociedades latinoamericanas, atravesadas contemporáneamente por intereses económicos neoliberales. Nuestra ponencia presentará una panorámica sobre el devenir de la acción colectiva indígena continental, en interrelación con las políticas estado nacionales indigenistas de diversa índole, hasta centrarnos en la actual estrategia comunicacional de los pueblos originarios, expresión de una acción colectiva simbólica por autorepresentarse y validarse sociocultural y políticamente. Ilustraremos nuestra argumentación con el estudio de caso de la radiodifusión mapuche de Gulumapu (Chile) que, a través de la realización de un análisis de contenido cuantitativo y cualitativo, nos ejemplifica la dimensión simbólica de la acción colectiva mapuche contemporánea, al mismo tiempo que nos permite extender preguntas y reflexiones pertinentes de extrapolar al resto de la estrategia comunicacional indígena Latinoamericana.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
A “Primavera Secundarista”: notas para uma sociologia das ocupações estudantis (#5659)
Almada Pablo 1
1 - Universidade Estadual de Londrina.
Abstract:
O presente artigo tem como objetivo debater algumas hipóteses analíticas para a compreensão dos movimentos estudantis recentes, enfatizando as ações coletivas dos estudantes secundaristas e as ocupações de escolas no ano de 2016. O movimento de ocupação que ocorreu neste ano trouxe a tona a sucessão de problemas de políticas educacionais que se agravou ao longo dos últimos anos, especialmente após o Golpe de 2016 e o anúncio de medidas de reforma do ensino médio e da PEC 241/PEC 55. Entende-se que esse contexto apresentou o principal mote para essas ações coletivas, ocorridas em mais de 1000 escolas e em mais de 5 estados da federação. A partir disso, procura-se construir um mote analítico que permita uma compreensão mais ampla de tais eventos, articulando as questões de classes sociais, identidades e cultura, de forma a compreender a organização interna e o impacto externo de tais protestos. Observa-se que, num contexto de ampla mobilização social em torno do escopo político institucional, dado pelos movimentos de classe média defensores do Impeachment e contrários à corrupção, o movimento estudantil secundarista voltou-se a compreensão de um problema estrutural da sociedade brasileira: o acesso e a precarização da formação escolar. Assim, entende-se que esse movimento esteve no inverso do primeiro, pois suas ações apontaram para a inteção de desmonte do estado, do cerceamento do livre pensamento e de determinadas disciplinas, muitas vezes, entendidas pelos policy makers como disciplinas pouco neutras ideologicamente. Ainda, a perspectiva de congelamento dos gastos para a educação nos próximos 20 anos, objeto da PEC 241/PEC 55 afeta diretamente o horizonte de expectativas dos jovens, sobretudo por conta da formação e da qualificação básica representarem, na vida de muitas famílias e jovens, um acesso diferenciado ao mercado de trabalho. Em torno dessas questões, a construção de uma sociologia das ocupações estudantis refere-se diretamente a reflexão do uso do espaço público para o debate daqueles que frequentam tal espaço, tomando parte e responsabilidade sobre os detinos dele, ainda que de forma utópica, mas que se faz como meio de ampliação do demos, o espaço geográfico e democrático do "fazer política".

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
“Em marcha até que todas sejam livres”: Identidade, política e ativismo transnacional no Movimento Feminista Internacional marcha mundial da mulheres. (#5660)
Alyne Nunes 1;
Daniel Monteiro 1
1 - Programa de Pós-Graduação em Sociologia - Universidade Federal de Pernambuco.
Abstract:
Este artigo propõe uma investigação sobre a produção simbólico-discursiva no que tange às noções de identidade, política e ativismo transnacional nos movimentos feministas contemporâneos a partir do análise discursiva e de conteúdo das publicações online do movimento feminista internacional Marcha Mundial das Mulheres[1] (MMM) – divulgadas tanto no website oficial[2], quanto nos blogues brasileiro[3] e do estado de Pernambuco[4] da MMM. Uma leitura preliminar dos textos já publicados nos sites nacionais e internacionais da MMM apontam que esse movimento feminista prioriza táticas e estratégias de ação que privilegiem ações conjuntas entre as ativistas em nível regional, nacional e internacional, tais quais encontros presenciais periódicos: acampamentos, batucadas, oficinas de lambe-lambe, caravanas, e, principalmente, marchas. É também interesse da MMM organizar encontros com outros movimentos sociais parceiros que tenham interesse em trabalhar sob os eixos da mercantilização, sexualidade, aborto, violência, cultura LGBT, feminismo anti-racista e autonomia.  Isto posto, o objetivo principal deste trabalho é realizar uma análise descritiva, compreensiva e comparativa acerca das relações socioculturais entre as condições históricas de possibilidade de emergência e as formas sociais de comunicação que tornam possível a legitimação da MMM nos contextos local e global, enquanto um movimento feminista transnacional. Por fim, nossas questões norteadoras são: Como as condições históricas de possibilidade para as ações coletivas da MMM são percebidas pelas participantes e pelos aliados desse movimento; Como a percepção dessas condições pelas ativistas é refletida nas táticas e estratégias de ação e dialoga como a de outros grupos ativistas transfronteiras?     Notas:   [1] Movimento feminista internacional – surgido em 2000 – organizado por mulheres de áreas urbanas e rurais a partir de alianças com movimentos sociais. [2] www.worldmarchofwomen.org/ [3] marchamulheres.wordpress.com/ [4] http://mmm-pe.blogspot.com.br/     Bibliografia:   ÁLVAREZ, Sonia E. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista, cadernos pagu, 43: 13-56, Janeiro-Junho, 2014. BRYMAN, Alan. E-research: using the Internet as objetct and method of data collection. In: BRYMAN, Alan, Social Research Methods. New York: Oxford University Press, 2008. CONWAY, Janet. Transnational Feminisms Building Anti-Globalization Solidarities, Globalizations, 9(3): 379-393, 2012. FLICK, U. Pesquisa qualitativa online: a utilização da internet. In: FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009. FRAGOSO, S., RECUERO, R., AMARAL, A. Métodos de pesquisa para a internet. Editora meridional Sulina, Porto Alegre, 2009. HARRINGTON, Carol. Governmentality and the Power of Transnational Women’s Movements, Studies in Social Justice, 7(1): 47-63, 2013. LLOYD, Moya. Beyond identity politics: Feminism, power & politics. London: SAGE, p. 151-178, 2005.

 
19. Acciones Colectivas y Movimientos Sociales |
Martes 05/12 | 14:00 - 16:00 | Fac. Derecho | 16 |
Juventude e o Direito à cidade: A experiência do Levante Popular da Juventude na luta contra o genocídio da juventude negra no Brasil (#5681)
Marcos Paulo Gomes Barbosa 1; André Felipe Bandeira Cavalcante 1; Floriza Soares Bezerra 1
1 - UFRN.
Abstract:
Este estudo é uma análise das ações do movimento social de juventude “Levante Popular da Juventude”, contra o genocídio da juventude negra nas periferias brasileiras. Nos últimos tempos, essa juventude tem sido alvo de diversas manifestações de violações que constituem o espaço urbano. Nessa direção, o genocídio da juventude negra aparece na cena contemporânea como uma das expressões do desenvolvimento urbano e da cidade como cenário de disputa. Logo, a reivindicação à cidade, o direito à cidade é apontado como saída coletiva pela juventude do Levante Popular da Juventude, que se organiza nas universidades, nas periferias e no campo de 26 estados brasileiros. No Brasil, segundo Mapa da Violência 2016 o número de Homicídios na faixa jovem teve um crescimento bem maior passando de 3.159, em 1980, para 25.255, em 2014: crescimento de 699,5%. E no que se refere aos dados sobre a população negra temos que em 2003 era de 71,7% passando para 158,9%, em 2014. Portanto, morrem, proporcionalmente 158,9% mais negros que branco. Os dados são alarmantes e mostra a necessária urgência de políticas públicas voltadas para a juventude. O Levante Popular da Juventude surge diante desse cenário e com o desafio de organizar a parcela da população mais atingida pela violência e criminalização por parte da Polícia, mídia e judiciário. A metodologia utilizada ao longo do trabalho utiliza de um revisão bibliográfica sobre a temática abordada e análise documental de orgãos que pesquisa a violência no Brasil, bem como, cartilhas e textos do movimento. Utilizaremos como base também entrevistas semiestruturadas com 5 jovens militantes do movimento.