Loading…


jueves 07/12 - Fac. Derecho / Sala 39
08:00 - 10:00 Presentación de PONENCIAS
 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
Terra vulnerável: história da governamentalização do planeta (#3658)
Siqueira Leandro 1
1 - UNIMES.
Abstract:
No final dos anos 1960, os registros fotográficos da Terra inteira feitos pioneiramente da perspectiva sideral passaram a ter ampla divulgação, ao mesmo tempo em que se assistiu a eclosão do chamado novo ambientalismo nos Estados Unidos. Estas originais imagens do planeta, captadas por astronautas ou por satélites artificiais, tornaram-se ícones do movimento ambientalista que, desde o seu surgimento, procurou incorporar ao debate político suas fortes inquietações quanto à degradação da natureza e à necessidade de se repensar os modelos de desenvolvimento econômico para se evitar, em última instância, a destruição do próprio planeta Terra. Esta intervenção busca apresentar algumas relações que podem ser estabelecidas entre o acontecimento sideral e a emergência do ambientalismo enquanto prática política capaz de aglutinar indivíduos em torno de lutas e visões de mundo comuns. Pretende-se analisar como o acontecimento sideral foi um dos elementos que orientou a projeção das preocupações ambientalistas da escala nacional para a planetária, estendendo assim a percepção de ameaça à natureza (provocada pela poluição, desmatamento, etc.), para o globo terrestre como um todo, evidente nos discursos sobre a fragilidade do planeta elaborados a partir das imagens espaciais da Terra. Pretendemos mostrar ainda que mais um efeito a ser observado a partir deste deslocamento, está na atribuição de um caráter político à noção de planeta, que passa a ser gradativamente tomado como mais um corpo a ser cuidado, administrado e protegido de diversos riscos. Além de estarem diretamente ligadas à criação da inteligibilidade que tornou o planeta um corpo a ser gerido, as tecnologias espaciais também propiciaram a constituição dos contemporâneos sistemas de monitoramento do planeta, voltados para permitir que a ciência compreenda o chamado "Sistema Terra". Neste sentido, ao longo da segunda metade do século XX, os programas espaciais de alguns países e organismos internacionais assumiram a incumbência de produzir informações e dados sobre questões ecológicas, ambientais e climáticas que, por sua vez, municiam o ensaio de outras formas de governança do planeta.

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
Diseño y sustentabilidad. Hacia un nuevo paradigma configurativo en los modos de producir (#4046)
María Eugenia Correa 1
1 - Instituto de Investigaciones Gino Germani-UBA/CONICET.
Abstract:
En los últimos años la problemática socioambiental, y en relación con ésta, el modelo productivo existente y los recursos naturales y humanos empleados para el mismo, han comenzado a ser ampliamente cuestionados dada la situación alarmante y compleja que la atraviesa. En este contexto, la producción imperante masiva y de gran escala contempla un uso irracional de los recursos naturales, agotables y no renovables, lo que pone en evidencia la necesidad de plantear un modelo alternativo sustentable. En este sentido, la sustentabilidad refiere al cuidado de los recursos utilizados, a fin de que puedan perdurar y satisfacer a las próximas generaciones. De este modo, un modelo productivo basado en una lógica sustentable permite articular tres instancias fundamentales a la hora de producir: la económica, la social y la ambiental, buscando alcanzar un desarrollo tal que pueda ser sostenido a lo largo del tiempo, y sin agotar los recursos disponibles. En esta línea, es que tienen lugar diversos emprendimientos que se inscriben en este nuevo paradigma productivo, basado en el diseño sustentable. Hablamos de proyectos orientados a la creación de bienes de uso cotidiano tales como mobiliario, luminarias, indumentaria, accesorios, entre otros elementos que son producidos en el marco de conceptos tales como: el reciclado, el reúso, la recuperación de materiales de descarte, entre otras formas diversas de producción abordadas desde una perspectiva sustentable.     Así, numerosos diseñadores han iniciado sus emprendimientos productivos orientados a este fin: construir diseños de productos de uso cotidiano desde una producción que apele al cuidado de los recursos naturales y humanos involucrados en ésta, a una no contaminación del medio ambiente, a un mayor respeto por el entorno desde desarrollos que contemplen todo el ciclo de vida del producto, entre otras instancias enmarcadas en la idea de sustentabilidad. De esta manera, en el presente trabajo me propongo indagar acerca de estos nuevos emprendimientos de diseño sustentable, construidos sobre la base de este nuevo paradigma productivo, que, a diferencia del modelo de desarrollo actual, busca producir desde un lugar de mayor cuidado y respeto por nuestro entorno social y material. Los objetivos se basan en identificar y caracterizar este tipo de emprendimientos, de describir sus modalidades productivas, los actores involucrados en estos, las relaciones que establecen con otros actores a la hora de producir, los productos que realizan, los formatos y las materialidades aplicadas, en un marco de desarrollo productivo sustentable.     La investigación es de índole cualitativa, a fin de reconstruir a través de entrevistas en profundidad y observaciones en campo, los discursos y las miradas de los protagonistas de estos proyectos.

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
Conservacionismos en México: el discurso del proteccionismo en los movimientos eco-sociales y la configuración de las subjetividades críticas. (#4058)
Luis Emilio Téllez Contreras 1
1 - Universidad Autónoma de la Ciudad de México.
Abstract:
En nuestras sociedades el discurso ecológico ha tomado tanta preponderancia como recurso de legitimación de prácticas políticas y construcción de imágenes públicas, que se ha vaciado en gran parte de contenido. Las formulas enunciativas predominantes en México refieren a los mismos tópicos que tienen los estándares conceptuales a nivel internacional sin mayor visos de matices o diferencias. Dentro de la hegemonía de este corpus de conceptos ecológicos tenemos lo que podríamos llamar un subdiscurso en torno al conservacionismo del medio ambiente como una estrategia de cuidado de ciertas zonas naturales de relevancia, donde opera el discurso mencionado y donde encontramos al mismo tiempo, tanto una política conceptual de las instituciones, como una respuesta que, aunque adopta en gran medida el mismo lenguaje, le da un sentido opuesto a la lógica utilitarista dominante; nos referimos al proteccionismo comunitario, dígase rural o indígena. En este contexto, más allá de la naturaleza ideológica de los discurso, lo teóricamente interesante son las implicaciones a nivel social que este tiene. En este sentido, desde una mirada crítica y adoptando los procedimientos de análisis del discurso que el filósofo y teórico social Michael Foucault ha desarrollado, quiero presentar en este trabajo el resultado de los efectos que un discurso tal genera en la subjetividad de los movimientos sociales que se construyen alrededor de la defensa de los espacios naturales y que se apoyan en una lógica proteccionista de autoadministración o en valores sacros del territorio. Analizaremos dos casos específicos y relevantes en México que han logrado reposicionar el discurso proteccionista desde la perspectiva de los pueblos indígenas, pero que se intersectan con el discurso hegemónico. El primer caso es el del pueblo wixárika (huichol) en Wirikuta, sitio sagrado donde para los indígenas aconteció la creación del mundo. Territorio que entró en disputa con la compañía canadiense Firs Majetic. El segundo caso es la del pueblo de Cherán en el Estado de Michoacán, donde habitan pueblos purépechas y desde 2011 se organizan de forma autónoma para defenderse de bandas criminales y de talamontes. En ambos lugares y resistencias, podemos encontrar a partir de comunicados, entrevistas y pronunciamientos la existencia de una convivencia de dos discursos, uno que podríamos llamar propio y otro que es el hegemónico. Un discurso de preocupación por la apropiación local y otro por la idea de preocupación general por la naturaleza. En este sentido, desde Foucault identificaré los dispositivos, instancias de delimitación, rejillas de especificación y planos de diferenciación en la formación de los objetos y prácticas, que nos ayudarán a delimitar cómo en la interacción de discursos, se forja la subjetividad de insubordinación social.

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
Cidadania e Meio Ambiente: Uma análise acerca da percepção e postura atitudinal dos residentes de um município do Litoral Norte Gaúcho sobre as questões ambientais. (#4309)
Fabiana Pereira Rosa 1;
Juliane Danielle dos Santos 1;
Monique Taísa Wilborn 1;
Victor Hoffmann Moreira 1; Vinicius Porto de Ávila 1
1 - UNICNEC OSORIO.
Abstract:
Uma crise socioambiental sem precedentes vem se tornando cada vez mais perceptível ao longo dos últimos anos, e levando em consideração que o processo de degradação ambiental está diretamente ligado à praxis humana, em suas relações de transformação com o meio o qual está inserida, vê-se necessário repensar a posição do homem em meio à natureza, nas suas atitudes em relação ao meio ambiente e ao alheio. A carta Magna Brasileira de 1988, em seu artigo 225º define o meio ambiente como um bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, a medida em que inclui o cidadão como protagonista da defesa do meio ambiente, impõe que sua efetiva preservação é um dever de todos para as presentes e futuras gerações. Uma postura atitudinal auxiliará ao homem exercer a adaptação dos seus métodos de consumo, produção, correlação, reaproveitamento, manutenção, uso consciente de recursos naturais, que irão possibilitar a preservação e aproveitamento dos recursos naturais pelas atuais e futuras gerações de forma plena. Assim sendo, o presente estudo tem por objetivo analisar a percepção e a postura atitudinal dos residentes de um município do Litoral Norte Gaúcho sobre questões relacionadas ao meio ambiente. A pesquisa é de natureza quantitativa, descritiva. A coleta de dados utilizou como principal fonte o questionário fechado que foi aplicado com trezentos e oitenta e um residentes do município de Osório, localizado no Litoral Norte Gaúcho. Na análise dos dados foi utilizado o software estatístico IBM SPSS versão 24.0. Os resultados deste estudo revelam que os residentes conhecem o significado bem como a importância da temática meio ambiente, no entanto, não possuem uma postura atitudinal sobre as questões ambientais. Palavras-Chave: Cidadania. Meio ambiente. Postura atitudinal.

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
Desenvolvimento Sustentável Visto por uma perspectiva marxista (#4563)
Antonio Pereira De Oliveira 1
1 - UFAM/UNICAMP.
Abstract:
Na afluência da formação de uma consciência pública da crise ambiental global se gerou igualmente uma preocupação em substituir o modelo de desenvolvimento, visto como predatório, por um outro de caráter sustentável. Assim, após um intenso processo, se chegou a formulação do desenvolvimento sustentável. Um conceito que desde o seu início foi foco de inúmeras abordagens. Prevalecendo, porém, no âmbito das instituições multilaterais de financiamento, a que melhor se ajustou aos horizontes de reprodução social em vigor. Ou seja, aquela que une crescimento econômico com preservação ambiental. Neste artigo, pretendemos abordar esse tema por uma perspectiva crítica, marxista, ancorada na leitura desenvolvida por István Mészáros. Pensamos pôr em questão a tese do desenvolvimento sustentável no fluxo de expansão permanente do sistema do capital. Isto significa pensar essa possibilidade de desenvolvimento, no quadro de um sistema historicamente determinado, cujas características principais são: máximo de eficiência na extração do excedente da força de trabalho; processo de expansão incontrolável; e, apropriação da natureza de forma predatória.

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
Racionalidade Socioambiental: as Jornadas do Paraná como caminho alternativo e emancipatório (#4679)
Kauê Pessoa 1; Alfio Brandenburg 1
1 - Universidade Federal do Paraná.
Abstract:
Em décadas recentes, houve um intenso incentivo ao desenvolvimento das tecnociências, através de investimentos em recursos sociais e materiais como forma de aumentar os rendimentos industriais e os lucros financeiros, vinculado aos interesses políticos e econômicos, através de uma racionalidade instrumental e econômica da modernidade. Os ambientes rurais em vários locais foram direcionados as dinâmicas técnicas-produtivas, formulando novos elementos socioambientais e socioeconômicos, realocando os modelos tradicionais em detrimento de um sistema convencional. Os ambientes rurais se tornam cada vez mais, um ambiente técnico e econômico, excluindo o caráter social intrínseco as ruralidades. Em outro viés, a racionalidade socioambiental tem tomado forma durante os anos como um caminho alternativo. As Jornadas no Estado do Paraná se tornam um movimento fundamental nesse sentido ao estabelecer uma arena social e política alternativa no Brasil, como uma forma de fundamentar o debate de valores socioambientais. As Jornadas têm início no início do século, com o intuito de contestar a racionalidade instrumental e aos interesses dominantes no âmbito rural e tendo o viés alternativo como elemento fundamental, reconhecido durante todos os encontros anuais que ocorreram até o momento. Há nesse caminho, um caráter de resistência e construtivo, que tem como alicerce o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Com isso, o texto tem como intuito acentuar o caráter formativo de um discurso socioambiental e técnico-produtivo no interior das Jornadas do Paraná, atrelado a identidade tradicional camponesa e ao vinculo com a natureza. Nota-se que o discurso alternativo está vinculado aos movimentos ambientais e sociais das recentes décadas e que tem como sentido o embate ao modelo produtivo convencional. Para tanto, o texto acentua a racionalidade instrumental e socioambiental como caminhos contrários, esta última como sentido tomado nas Jornadas do Paraná, como uma forma de conservar e promover um modelo de ruralidade, através de um direcionamento alternativo e emancipatório ao caráter dominante, durante o texto é analisada a efetividade desse processo.

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
Questão ambiental no capitalismo contemporâneo: relação entre natureza e ordem do capital em crise (#4705)
Silvana Crisostomo Da Silva 1; Maria Das Graças E Silva 2
1 - Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU). 2 - Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
Abstract:
Nas últimas décadas, algo em comum chama a atenção da população mundial: as notícias de desastres socioambientais, como enchentes, furacões, tsunamis; as mudanças climáticas, com o aquecimento global, que alterna drasticamente as temperaturas nos mais variados cantos do globo terrestre; o desgaste do solo pelo desmatamento tanto para a finalidade da agricultura e pecuária como pela extração de madeira para venda; a contaminação da terra e dos lençóis freáticos pelo lançamento de efluentes e despejo inadequado de resíduos sólidos, etc.. A partir do método de análise marxiano podemos analisar que esse cenário de destrutividade ambiental tem no seu cerne a apropriação privada da natureza. Uma minoria, que se apropria do trabalho alheio, é a mesma que privatiza os recursos naturais, os extrai e os tornam mercadorias. Nesse complexo processo, é a sociabilidade fundamentada em lucros e exploração da natureza que determina o surgimento da questão ambiental. Diante disso, este estudo teve por intuito analisar as determinações históricas e contemporâneas da destrutividade ambiental. Para isso, nos subsidiamos em pesquisa bibliográfica. Na sociabilidade capitalista, ocorre a ruptura do metabolismo entre homem e natureza, tendo em vista a apropriação privada da natureza e do trabalho e sua conversão em mercadorias. Neste processo, o homem deixa de se reconhecer no trabalho e como parte constituinte da natureza, consolidando a alienação para consigo, seu trabalho e o ambiente físico-natural. Dessa forma, a natureza perde o sentido fundamental da realização do ser social – do seu valor de uso, pois também é transformada em mercadoria, comercializada e degradada em prol da obtenção de lucro. Esta é esvaziada do sentido de satisfação das necessidades coletivas, sendo transformada em negócio, fonte de lucratividade e acumulação de capital. Em plena crise sistêmica do capitalismo, a qual possui caráter universal, global, extenso e rastejante (MÉSZÁROS, 2010), pode-se destacar um conjunto de desdobramentos, como: 1) as metamorfoses do mundo do trabalho; 2) a refuncionalização do papel do Estado; 3) a financerização do capital. As crises são orientadas pela alta produção em detrimento das necessidades dos grupos sociais explorados e pelo desperdício de matéria prima e força de trabalho, ao serem descartados alimentos e vidas, quando estes não são rentáveis o suficiente para a classe dominante. Portanto, a falaciosa tentativa de estabelecer um equilíbrio entre a oferta e a demanda permeia a ordem do capital e se iguala à contraditória tentativa de compatibilizar expansão e destruição, pois esse sistema, ao mesmo tempo em que “desbrava” novos nichos de mercado (países periféricos), leva consigo suas pragas, quase que proféticas, de destrutividade e incontrolabilidade. Estas circundam a história desse modo de produção desde a sua emergência, alastrando-se, substancialmente, na etapa de financeirização do capital. 

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
A problemática ambiental em tempos de liquidez: uma análise de representações sociais envolvendo consumo e pecuária. (#5225)
Rafaella Egues 1
1 - Universidade Federal de Pelotas.
Abstract:
Partindo do pressuposto de que o campo ambiental não é algo dado a priori e que se impõe sobre os sujeitos, mas um espaço que está em constante construção, o objetivo da presente proposta de pesquisa é justamente verificar quais as representações da problemática ambiental vigoram na estruturação desse campo (em detrimento de outras) contemporaneamente. Nesse sentido, leva-se em consideração as diferentes posições e especificidades dos agentes que envolvem a forma com que as questões acerca do meio ambiente são incorporadas e significadas por estes.   A partir disso, se buscará verificar a recorrência das questões a respeito da pecuária/consumo de carne nas representações do diferentes agentes sobre a problemática ambiental.  Parte-se da hipótese de que o movimento ambientalista e o fenômeno de “conscientização ambiental” é marcado atualmente pelo processo de individualização específico dessa fase da modernidade. Assim, os problemas e riscos ambientais começam a ser vistos como fenômenos que também devem ser lidados individualmente e crê-se que, independente dos fatores percebidos como impactantes pelos agentes, eles estarão envoltos numa lógica de responsabilização individual. Acredita-se também que, apesar do papel dos impactos ambientais causados pela atividade pecuária, essa questão pouco aparece nos discursos que compõem a problemática ambiental em relação a outros fatores considerados até mesmo menos poluentes. Pressupõe-se que isso ocorre devido as possiblidades do campo que envolvem o dizível e o indizível e da luta antagônica travada entre preservação e utilização de determinados “recursos”, o que pode evidenciar que o campo ambiental é atravessado pela lógica e poderes relativos a outros campos e se configura sob a influência de outros capitais, como o econômico. Baseando-se na teoria do sociólogo polonês Zygmunt Bauman, pretende-se trabalhar com o processo de individualização característico da modernidade líquida. Com o advento da modernidade liquida, todos devem se tornar distintos e o principal meio para tal, ou seja, para a construção das individualidades é o consumo. Para trabalhar especificamente com a questão das representações irá se basear na teoria das Representações Sociais de Serge Moscovici. Já a introdução da perspectiva de Pierre Bourdieu se dá justamente para entender como determinados discursos e argumentações acabam formando a problemática ambiental enquanto outros não. Para este autor, o espaço social é composto por agentes que compõe diferentes posições. É a partir do posicionamento dos agentes que são criadas suas representações de mundo e através delas que os sujeitos visam a conservar ou modificar o espaço social em que se inserem.

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
Desenvolvimento sustentável, sociedade civil e disputas políticas: uma análise a partir da política de Educação Ambiental no Brasil. (#5661)
Felipe Baunilha 1
1 - Secretaria de Educação do Estado da Paraíba.
Abstract:
A Educação Ambiental (EA) já é um campo político consolidado no continente. É cada vez maior o número de organizações, empresas e governos que desenvolvem projetos e políticas com a temática da EA. Um tipo específico de organização tem sido privilegiada no desenvolvimento de ações de EA: a chamada sociedade civil organizada ou também denominada de organização do “terceiro setor”. Pela falta de precisão teórica na definição do que são estas organizações buscamos fazer uma revisão teórica do debate sobre a sociedade civil. Surgido a partir do pensamento liberal para designar uma oposição à sociedade natural o termo já foi compreendido de diversas formas na história do pensamento político. Em nosso trabalho utilizamos o instrumental teórico fornecido por autores da tradição marxista, em especial daqueles que comungam das reflexões feitas por Antonio Gramsci. Para ele a 'sociedade civil' é parte constituinte do Estado, entendido como Estado ampliado, juntamente com a 'sociedade política'. O Estado como uma instituição criada para garantir o domínio de uma classe sobre outras se alterou após mudanças na economia durante o século XX e devido às lutas políticas empreendidas pelos trabalhadores desde o surgimento do capitalismo. Na compreensão de Gramsci e dos autores da sua tradição esta alteração trouxe novas determinações para a luta política que se estendem para além do Estado stricto sensu, dos aparelhos coercitivos do Estado. As classes dominantes são obrigadas a disputar ideologicamente a sociedade para conseguir manter seu poder. Esta dominação ideológica tem como arena central a sociedade civil através dos aparelhos privados de hegemonia de cada classe e fração de classe. É a partir desta perspectiva que analisamos as organizações do chamado “terceiro setor” desmistificando sua autonomia em relação ao mercado e ao Estado. Com a crise do neoliberalismo na década de 1990 os intelectuais das classes dominantes formularam uma nova estratégia para manter sua dominação, a chamada 'terceira via', que tem como estruturantes as organizações que atuam na sociedade civil. Estas são tidas como privilegiadas por serem supostamente despolitizadas e buscarem o bem comum. Ganham centralidade no desenvolvimento de políticas públicas e na atuação de empresas que criam suas próprias organizações para atuar na sociedade civil. No Brasil esta atuação das classes dominantes começa a ser gestada nos governos de Fernando Henrique Cardoso com a Reforma Gerencial do Estado Brasileiro. É deste período também a discussão e formulação da Política Nacional de Educação Ambiental, que tem as organizações que atuam na sociedade civil como interlocutoras importantes no desenvolvimento da EA. Buscamos aqui analisar as disputas travadas entre as organizações que atuam na sociedade em torno do tema do desenvolvimento sustentável, suas relações com o Estado e com agentes do mercado, evidenciando os diversos interesses envolvidos.    

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
Los indicadores de desarrollo como contribución al Desarrollo Sostenible (#5863)
Ana Emaides 1; Maria Liliana Salerno 2;
Daniela Paredes 3;
Balussi Juan 4;
Graciela Rodriguez 4; Candelaria Magliano 5; Regina Trevisanato 5; Marianela Truccone 5; Carlos Ponsella 3; Alejandra Barroso 5
1 - Universidad Nacional de Córdoba. 2 - UNC- UNVM. 3 - UNC. 4 - UNC -UNVM. 5 - UNVM.
Abstract:
En el contexto de la globalización económica y el aumento del precio de los commodities, las ciudades de Argentina presentaron la década pasada un importante crecimiento, pero, estos últimos años la pobreza, la desigualdad y asimetrías en el acceso a los beneficios del desarrollo han crecido. Ello, sin duda, es el mayor desafío para lograr que la dinámica de las ciudades pueda alcanzar sostenibilidad en materia social, ambiental y económica.  Es decir, llevar a cabo los esfuerzos necesarios para integrar objetivos económicos, sociales y ambientales, como propone el modelo de desarrollo sostenible y aprovechar, en la medida de lo posible, las oportunidades relacionadas con la aparición de nuevos mercados ambientales. Para ello, el objetivo debe centrarse entonces, en fortalecer la capacidad de los gestores municipales para la formulación y gestión de las políticas de desarrollo sostenible y programas de reducción de la pobreza urbana a nivel local. Por eso es necesario un adecuado diagnóstico de la problemática ambiental y de las condiciones previas necesarias para impulsar políticas de desarrollo sostenible. Los indicadores adquirieron importancia  en la década pasada. Los mismos, son indicadores de desempeño de la gestión ambiental, y su aplicación permite dar seguimiento y auditar  las normas ambientales. Su importancia es necesaria para el uso sostenible y el manejo de los recursos ambientales  y permiten orientar la formulación de políticas al proporcionar una valiosa información acerca del estado actual de los recursos a evaluar y de la intensidad y la dirección de los posibles cambios, subrayando además, los temas prioritarios. Poder contar con un sistema de indicadores sobre el estado y tendencias del desarrollo sostenible en el país, provincias y municipios, debería constituirse en elemento esencial para la generación y comunicación de políticas públicas. Entre los años 2008/10 evaluamos parte de la realidad institucional ambiental, en la Ciudad de Villa María (Córdoba, Argentina) para identificar los problemas y sus posibles instancias superadoras. Se seleccionaron indicadores de Desarrollo Sostenible construidos en su momento. Pasados unos años, nos propusimos revisar los resultados alcanzados y llevar adelante una evaluación del estado de situación de los indicadores de gestión ambiental en la ciudad de Villa María Uno los objetivos es indagar acerca de la existencia de programas formales de educación ambiental en la enseñanza primaria; otro acerca de la tasa neta de matriculación de  egreso en las escuelas; otro acerca de la participación de Villa María, en consejos nacionales de desarrollo sostenible, de sus acciones y comunicación de las políticas ambientales y de la evolución de la participación del Gasto social en  su presupuesto anual. Además evaluamos la tasa de crecimiento del número de pobres; por ultimo, nos propusimos indagar acerca dela realización de estudios de impacto ambiental, y de auditorias ambientales en las industrias consideradas de alto impacto ambiental radicadas en la ciudad. Un adecuado diagnostico permitirá fortalecer la capacidad de los gestores municipales para la formulación y gestión de las políticas de desarrollo sostenible. Es, en ese espacio que los centros académicos deben acercar estudios que proporcionen herramientas para alcanzar estos objetivos.    

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
Da legitimidade do desenvolvimento: pressupostos sócio-históricos. (#5894)
Ravena Araujo Paiva 1
1 - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Abstract:
Desde a década de 1960, a Amazônia brasileira vem sendo alvo de inúmeras investidas nacionais e internacionais, numa tentativa explícita de apropriação de suas terras e riquezas. A exploração da Serra dos Carajás, no estado do Pará, e todo o direcionamento em termos de aquisição de recursos, reordenamentos territoriais e demais políticas de intervenção caracterizam a posição do Estado brasileiro nesse período e, por conseguinte, as demais ações empreendidas desde então, à guisa de exemplo A forma como vêm sendo conduzidos os projetos de desenvolvimento em curso no país tem impulsionado inúmeros conflitos socioambientais e têm colocado na ordem do dia inúmeras lutas de comunidades tradicionais e ações de grandes empresas. A implantação desses projetos está embasada em imagens/percepções do outro, discursos de legitimação dessas ações e de um ideal de civilização específico. A legitimação desses projetos está ancorada em discursos que advogam o caráter civilizatório e modernizador dos mesmos, relegando formas distintas de organizações sociais a elementos da natureza a serem dominados. Poucas concepções possuem tanta aceitabilidade como a de desenvolvimento. Há mesmo um processo de naturalização no uso dessa categoria. Alcançar o estágio de civilização correspondente torna-se cada vez mais obrigação mesmo que de fato não saibam o que esse desenvolvimento significa, pois, atualmente “quando a maioria das pessoas utiliza o termo desenvolvimento estão dizendo exatamente o contrário daquilo que querem expressar” (Esteva, 2000, p. 59). Assim, para além de analisarmos as consequências do modelo de desenvolvimento em curso no país é preciso também que se discuta a construção da legitimidade desse processo. Para tanto, o presente trabalho busca problematizar a noção de desenvolvimento visando compreender como esta veio se consolidando historicamente e tomou a configuração de um instrumento de modelagem social, evidenciando o papel do Estado, a separação sociedade/natureza, bem como hierarquização de saberes e práticas nesse contexto.

 
14. Medio Ambiente, Sociedad y Desarrrollo Sustentable | Teoria y Medio Ambiente |
Jueves 07/12 | 08:00 - 10:00 | Fac. Derecho | 39 |
El Buen Vivir como Proyecto  desarrollista. El caso de  Ecuador (#6364)
Pascual García Macias 1; Karina Ponce 1
1 - UTPL.
Abstract:
Rafael Correa, presidente del Ecuador, llega al poder en el año 2006, respaldado por movimientos sociales indigenistas y por  una clase media harta de ver disminuida su calidad de vida,  de los primeros, estos grupos andinos, tomó como estandarte o discurso recurrente una cosmovisión (Sumak Kawsay) que después se tradujo en el proyecto desarrollista del Buen Vivir, hoy, 10 años después, todo parece indicar que el proyecto del Buen Vivir en Ecuador se desquebraja, falla  en todos sus componentes, tanto por cuestiones económicas, políticas, sociales como coyunturales. El siguiente documento pretende dar luces a las contradicciones económicas y políticas  en las que incurrió el modelo  de desarrollo  alternativo del Buen Vivir en Ecuador a través del análisis del discurso del presidente ecuatoriano y el análisis de la realidad que se vive en el país, buscando señalar las contradicciones entre discurso y práctica de este proyecto que no termina de ser redondeado del todo.